logo

ISSN 0373-5680
versão impresa
ISSN 1851-7471
versão online

Instruções aos autores

 

Escopo e política

 

Solicita-se aos autores que desejem publicar trabalhos na Revista da Sociedad Entomológica Argentina (RSEA), seguir atentamente as instruções dadas no presente guia. Quando os manuscritos não respeitarem estas instruções serão devolvidos aos autores, para que introduzam as modificações pertinentes.

 

 

Forma e preparação de manuscritos

 

INFORMAÇÃO GERAL

A RSEA publica trabalhos científicos inéditos de entomologia (hexápodos, miriápodos e aracnídeos), sobre qualquer aspecto (sistemática, ecologia, biogeografia, citogenética, comportamento, pragas agrícolas, etc.) e que representem um aporte original.

1. Publicação e autoria
- Os autores devem reconhecer que o manuscrito submetido não pode ter sido previamente publicado, nem estar sendo avaliado, concomitantemente em outro lugar, de forma a não violar direitos autorais ou de propriedade de qualquer pessoa ou entidade. O manuscrito também não deve apresentar conteúdo abusivo, difamatório, obsceno, fraudulento ou qualquer outra declaração considerada ilegal, sob qualquer forma.
- Direitos autorais: esta obra está sob a Licencia creative common Atribución 4.0 Internacional. É permitido copiar e distribuir o material em qualquer meio ou formato sem restrições; adaptar e editar o material para qualquer propósito. Sempre será necessário reconhecer a autoria do trabalho e indicar se alguma modificação foi realizada no mesmo.

2. Responsabilidade dos autores
- No momento da submissão todos os autores devem estar cientes e concordarem com a submissão e reconhecer o autor para correspondência, autorizado pelos demais co-autores.
- Os autores devem declarar que todos os dados no manuscrito submetido são reais e autênticos.
- Os autores são obrigados a participar do processo de revisão para prover retratações ou correções de erros.

3. Revisão/ responsabilidade pelos revisores
- Autores podem sugerir até dois revisores para seu manuscrito. Os editores podem ou não seguir tais sugestões.
- Revisores não poderão ter conflito de interesse com os autores e/ou a pesquisa.
- Revisores poderão destacar publicações não mencionadas e fazer todas as sugestões que considerarem pertinentes para melhorar o artigo.
- Artigos revisados serão tratados confidencialmente.

4. Responsabilidades editoriais
- Os editores tem total responsabilidade e autoridade para rejeitar ou aceitar um artigo e não possuir nenhum conflito de interesse em relação e estes artigos.
- Se erros forem encontrados, correções ou retratações da publicação são promovidas (esclarecimentos e pedido desculpas também são permitidos quando necessários).
- Em todos os casos o anonimato dos revisores será preservado

Estes princípios éticos para publicação são assegurados pelo conselho editorial da RSEA.

A RSEA contém as seguintes seções:
a) Fórum. Trabalhos de síntese de diferentes temáticas, de extensão não superior a 15 páginas. Apenas um destes trabalhos será incluído por cada entrega de RSEA, e os autores serão convidados pelo Comitê Editorial.
b) Artigos Trabalhos de pesquisa inéditos, de extensão variável, normalmente superior às quatro páginas.
c) Comunicações científicas Serão contribuições curtas que não superem as seis páginas. Seu conteúdo deverá ser original e cientificamente relevante.
d) Comentários. Referidos a jornadas, congressos, distinções a pesquisadores, livros ou artigos científicos de grande repercussão, e necrológicas de pesquisadores que se tenham destacado no campo da entomologia. A extensão dos comentários não excederá as duas páginas.

Idiomas. A RSEA publica trabalhos em inglês (muito recomendável) e em espanhol.

Autores. Para publicar na RSEA, ao menos um dos autores deve ser sócio ativo (pagamento em dia) com a Sociedad Entomológica Argentina
Extensão e custos. Não há limite na extensão dos trabalhos. Não há custos de publicação

NORMAS GERAIS PARA A PREPARAÇÃO DO TEXTO

Diante de qualquer dúvida específica sobre como apresentar um manuscrito, recomenda-se consultar artigos publicados recentemente na revista.
Formato. O texto do manuscrito será enviado em formato .DOC o .DOCX, em espaço 1,5, com margens direita e esquerda de 3 cm e todas as linhas e páginas deverão ser numeradas continuamente indicando na primeira página o título abreviado, tal como será publicado o cabeçalho.

Seqüência do material

a) Título; b) nome do(s) autor(es); c) endereços; d) título em idioma alternativo; e) resumo em idioma alternativo; f) palavras chave em idioma alternativo; g) resumo; h) palavras chave.
Artigos científicos: i) introdução; j) material e métodos; k) resultados; l) discussão; m) conclusões; n) agradecimentos; o) bibliografia citada.
Notas científicas: i) texto único com toda a informação; j) agradecimentos; k) bibliografia citada.
Os títulos e subtítulos das seções devem ser em negrito e na margem esquerda
Nomes científicos e vernáculos. Os nomes de nível genérico e específico, levarão o sobrenome do autor no resumo e no "abstract", e pelo menos uma vez no texto, de preferência na primeira vez que for citado; será incluído apenas o ano de publicação dos mesmos, se o trabalho for citado na bibliografía. Deverão ser respeitados os códigos internacionais de nomenclatura zoológica e botânica. Os nomes vernáculos de animais e plantas irão entre aspas.

Itálico e negrito. Serão colocados em itálico os nomes científicos de nível genérico e específico e os termos em latim. Quando se queira destacar uma palavra do texto, será colocada em negrito.

Localização das figuras e tabelas no texto e suas referências. Os lugares onde se queira intercalar as figuras e tabelas, serão indicados ao longo do texto de forma conspícua, na margem esquerda e com tinta vermelha. Todas as figuras devem ser referenciadas de forma consecutiva no manuscrito; as legendas devem ser numeradas consecutivamente, logo após as Referências

Fórmulas, símbolos e números . Todas as fórmulas devem ser legíveis e os símbolos utilizados não devem dar lugar a confusões (diferenciar adequadamente a letra O do número 0, a letra I do número 1, etc.). Exponentes e subíndices devem ser indicados claramente. Nos números, a parte inteira será separada do decimal por uma vírgula. Será utilizado o mesmo número de decimais, por exemplo: 6,0-8,9 (e não 6-8,9) ou 7,89-8,00 (e não 7,89-8). Se o texto do manuscrito for em inglês, a parte inteira será separada da decimal por ponto (ex. 6.0-8.9).
Os símbolos que representam unidades de medidas não são abreviaturas e portanto, na devem ser seguidos por um ponto (exceto que se trate do ponto final da frase) nem se um “s” ainda que estejam no plural (exemplos: mm, cm, m, mg, g, kg, s, min, h).
Não se deve deixar espaço entre um valor e o símbolo da % (“20%”, não “20 %”),, mas sim entre um valor e o símbolo “°C” (“18 °C”, não “18°C” nem “18° C”).

Citações bibliográficas no texto. As citações bibliográficas no texto incluirão o sobrenome do autor (serão mencionadas também as iniciais do nome quando houver mais de um autor com o mesmo sobrenome) e o ano entre parênteses. Quando se tratar de dois autores, os sobrenomes serão separados por "&", e no caso de mais de dois autores, será citado o primeiro seguido de “et al.” sublinhado. Quando forem listados vários autores e trabalhos, as citações deverão ser ordenadas cronologicamente.

Exemplos: Germain (1895, 1911); (Fairmare, 1895); Anderson, D.M. (1911); Anderson, W.H. (1938); Nelson & Platnick (1981: 123); Brewer et al. (1983).

NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DE ARTIGOS E COMUNICAÇÕES CIENTÍFICAS

As seguintes normas são válidas tanto para a elaboração de artigos quanto de comunicações científicas.
Título. Deverá refletir concretamente o conteúdo do trabalho, e ser o suficientemente conciso e claro. Será escrito com letras maiúsculas/minúsculas. Os títulos que incluírem nomes genéricos ou específicos não deverão indicar o autor dos mesmos; serão indicadas entre parênteses a ordem e a família a que pertencem, separados por dois pontos.

Exemplo: Revisão sistemática do gênero Barypus (Coleoptera: Scarabaeidae).

Autor(es). Será indicado o sobrenome com maiúscula, seguido de uma vírgula o primeiro nome e a inicial do segundo. No caso de duplo sobrenobre, ambos deverão ser indicados com letra maiúscula. Ex.: COSTA LIMA, C. No caso de haver mais de um autor, para o segundo, terceiro, etc., será invertida a ordem de sobrenome e nomes.

Exemplos:
GÓMEZ, Pedro E.
GÓMEZ, Pedro E. & María M. GONZÁLEZ

Endereço. O local de trabalho do(s) autor(es) deverá ser indicado, bem como o endereço postal e o endereço eletrônico de pelo menos o autor para correspondência, no caso de haver mais de um autor. Números sobre-escritos deverão ser utilizados para indicar diferentes locais de trabalho.

Resumo e Abstract. Deverão refletir apropriadamente o conteúdo do trabalho. Os resultados e as conclusões obtidos devem ser apresentados concisamente e o uso da voz passiva deve ser evitado. Não devem exceder duzentas palavras, nem conter referências bibliográficas.
Palavras-chave. Serão incluídas até um máximo de cinco palavras-chave, separadas por pontos e que não estejam presentes no título do trabalho.
Tanto Resumo e Abstract, como as Palavras chave e Key words devem conter a mesma informação.
Introdução. Incluirá a natureza, alcance e importância do tema tratado, seus antecedentes, os objetivos e hipóteses de trabalho, e sua relação com outros estudos similares.

Material e Métodos. Serão indicados a procedência do material (coleções e instituições) estudado no trabalho e os métodos, técnicas de laboratório e desenhos experimentais realizados. Nos trabalhos de fisiologia, ecologia, agronomia, etc., é imprescindível mencionar a instituição e/ou coleção onde tenham sido depositados os exemplares de referência ("voucher specimens").

Resultados. Os resultados obtidos deverão ser expostos de forma clara; informações repetidas em tabelas e figuras devem ser evitadas.

Todos os resultados apresentados devem ser analisados por procedimentos estatísticos apropriados (exceto em caso de descrições). Quando os dados forem submetidos ao test t-Student ou a Análise de Variância, os parâmetros t, F, gl e p devem ser apresentados.
Discussão. Será reservada para as comparações significativas com outros estudos, e para explicitar o significado dos resultados alcançados.
Agradecimentos. Serão incluídos quando for oportuno agradecer a pessoas ou instituições que tiverem contribuído para o trabalho.

Bibliografia citada. Todas as obras citadas no texto devem figurar na bibliografia e vice-versa. Serão ordenadas alfabeticamente por sobrenome do autor. Os trabalhos em colaboração irão depois dos de autor único, pela ordem alfabética correspondente ao segundo autor, terceiro, etc. Quando houver mais de um trabalho de um mesmo autor ou grupo de autores, serão ordenados cronologicamente. Se fossem do mesmo ano, serão utilizadas correlativamente as letras do alfabeto para diferenciá-los. Se for citado mais de um trabalho do mesmo autor ou grupo de autores, seu nome será transcrito completo todas as vezes (não será substituído por uma linha). O nome das revistas científicas não devem ser abreviados.
No caso de uma publicação disponível apenas online, agregar o endereço na web: (disponível em ....)

O Estilo Harvard deve ser seguido (autor-ano)
Exemplos de formato

Publicações em periódicos

Aravena, O. & Toro, H. (1985) Morfología de las partes esqueléticas del aparato picador de Xeromelissinae (Hymenoptera, Colletidae). Revista Chilena de Entomología, 12, 177-183.

Livros
Harwood, R.F. & James, M.T. (1979) Entomology in human and animal health. Macmillan, New York, USA.

Capítulos de livros editados por terceiros
Gauld, I.D. (1986) Taxonomy, its limitations and its role in understanding parasitoid biology. Insect parasitoids (ed. Waage, J., & Greathead, D.), pp. 1-21. Academic Press, Londres.

Contribuições em anais de congressos ou simpósios
Oglobin, A.A. (1961) La estructura cefálica de los representantes de la familia Mymaridae (Hymenoptera). En: Actas y Trabajos del I Congreso Sudamericano de Zoología, 1960, La Plata. pp. 109-155.

Trabalhos no prelo
Autino, A.G., Claps, G.L. & Barquez, R.M. No prelo. Insectos ectoparásitos de murciélagos de las Yungas de la Argentina. Acta Zoológica Mexicana (nova série) 78.

Páginas web ou documentos eletrônicos
[Em caso de autor desconhecido, o responsável pelo documento deve ser citado (pessoa, organização ou instituição), e se esse não aparece, o lugar de acesso deverá ser citado]
Carbonell, C., Cigliano, M.M. & Lange, C.E. (2006) Especies de acridomorfos (Orthoptera) de Argentina y Uruguay. The Orthopterists Society, Argentina/USA. [CD].

Programas

Os programas utilizados nas análises também devem ser citados, indicando a versão.
Tabelas. O termo “tabela” se reservará para designar qualquer conjunto de dados apresentados de forma compacta. As tabelas serão numeradas com números romanos de forma correlativa e levarão o título indicando a informação contida, na parte superior. Serão evitados, se possível, as tabelas com grande número de colunas e/ou filas; se a informação que se deseja apresentar assim o exigir, os autores buscarão modificá-la, subdividi-la ou reduzi-la de maneira adequada. As tabelas irão em anexo ao texto, em folhas numeradas de forma correlativa com o resto do trabalho.
A palavra “Tabela”, seguida pelo correspondente número romano deve ser em negrito, mas o resto do título não (Exemplo: Tabela VII. Efeito da temperatura sobre a toxicidade de cinco piretróides em Rhodnius prolixus.)
Usar linhas horizontais para (a) separar o título dos cabeçalhos das colunas, (b) separar os cabeçalhos dos dados, e (c) ao final da tabela. Não usar linhas verticais.
Os valores médios devem ser acompanhados de seus respectivos erros padrões (EP), e não do desvio padrão.
Quando os resultados de dados submetidos à análise probit são apresentados, a tabela deve incluir as seguintes colunas: n, declive ± EP, DL 50 (ou o parâmetro que corresponda, sempre acompanhado de seu respectivo IC95 (Intervalo de Confiança de 95%)).
Usar asteriscos somente para indicar significâncias estatísticas. Para indicar diferenças significativas (ou não) entre valores, usar letras minúsculas na sequência dos valores, sem deixar espaço (por exemplo, 234,5ab).
Deixar um espaço antes e depois do símbolo “±” (“24 ± 3”, e não “24±3”).
Incluir notas de rodapé na tabela para descrever o significado das abreviações ou outros termos, além aclarar outros aspectos necessários. Na tabela letras minúsculas em sobre-escrito devem ser usadas como referência às notas de rodapé. Tais letras em sobre-escrito devem aparecer em ordem alfabética da direita para a esquerda e de cima para baixo.

Figuras. Todas as figuras (desenhos, mapas, fotografias, gráficos, etc.) serão numeradas correlativa e independentemente com números arábicos, se estão ou não na mesma prancha. Deverão ser citadas no texto, não utilizando nem no texto nem nos epígrafes as denominações "quadro", "lâmina", "gráfico", etc. As legendas das figuras deverão descrever brevemente o tipo de informação que é apresentada e irão em anexo ao texto, em folha separada, ao final do mesmo.

Exemplo: Figs.1-4. Listroderes affinis Hustache. 1, aedeagus, vista ventral; 2, aedeagus, vista lateral; 3, esternito 8 da fêmea; 4, espermateca. (Escala = 1 mm).
ELABORAÇÃO DE FIGURAS E TABELAS

Qualidade. As fotografias deverão ser de excelente qualidade, com bom contraste. Recomenda-se montar cuidadosamente as pranchas que incluam várias fotografias ou desenhos, tendo em conta o tamanho do espaço para impressão. A quantidade e o tamanho de figuras e de referências (números, abreviaturas, escalas, etc.) em cada prancha devem ser adequados para uma correta leitura no tamanho final (ver Reduções).
Não serão aceitos conjuntos indivisíveis de desenhos e fotografias, já que seus procedimentos de impressão são diferentes.
Formato TIFF ou JPG com resolução não inferior a 300dpi. Não se aceitarão imagens ou gráficos em Word ou Excel.

Reduções
Os desenhos que contiverem linhas e texto devem ser desenhados para suportar uma redução de área para impressão de 14,0 ou de uma única coluna (6,6 cm). Figuras ou conjuntos de tabelas, a página inteira, ao tamanho da caixa (14,0 x 19,5 cm).

Escalas. As figuras que assim o necessitarem, levarão barras indicando a medida e unidade correspondentes, sobre a barra mesma ou no texto do epígrafe respectivo. [exemplo: “...esternito 8 da femea; 4, espermateca (Escala = 1 mm)”]. Lâminas sem barras de medida e legendas que não indiquem o fator de aumento [exemplo.: “…esternito 8 da femea; 4, espermateca (x100)”]. não serão aceitas.

REGISTRO DA PUBLICAÇÃO NO ZOOBANK

Depois que o trabalho for aceito para publicação e com o objetivo de cumprir com os requerimentos do Código Internacional de Nomenclatura Zoológica (Artigo 8.5.3), solicita-se aos autores dos trabalhos que possuem novos nomes e/ou atos nomenclaturais (um ato publicado que afete o status de um nome científico ou a tipificação de um táxon nominal) que registrem o trabalho no Zoobank e agreguem ao final de Material e Métodos (ou ao final da Introdução no caso de Notas Científicas) o seguinte parágrafo: “ Este artigo foi registrado no Registro Oficial de Nomenclatura Zoológica (Zoobank) como .[código proporcionado por Zoobank]...." a fim de que conste evidencia do registro.

 

 

Envio de manuscritos

 

O manuscrito original e os arquivos complementares devem ser enviados por meio da página http://www.biotaxa.org/RSEA.
No momento de enviar o manuscrito, os autores deverão sugerir ao menos dois revisores para seu trabalho, incluindo especialistas estrangeiros, detalhando seus endereços de e-mail e instituições a qual pertencem. O Comitê Editorial designará os revisores do manuscrito, os quais poderão ser diferentes dos sugeridos pelos autores.

 

 

[Home] [Sobre esta revista] [Corpo editorial] [Assinaturas]


2016 Sociedad Entomológica Argentina

División Entomología
Museo de La Plata, FCNyM
Universidad Nacional de La Plata
Paseo del Bosque s/n
(B1900FWA) La Plata
Buenos Aires, Argentina
Tel: 54 0221 4257744
www.sea.org.ar/index.php/SEA

logo
novedadessea@gmail.com

SciELO Argentina URL: http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_serial&pid=0373-5680&lng=pt&nrm=iso