SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 número2El cambio lexemático como signo antropológico en dos versiones de un cuento tradicional índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Articulo

Indicadores

  • No hay articulos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • En proceso de indezaciónCitado por Google
  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO
  • En proceso de indezaciónSimilares en Google

Bookmark


Runa

versión On-line ISSN 1851-9628

Resumen

SANS, Mónica. "Raça", adscripção étnica e genética em uruguai. Runa [online]. 2009, vol.30, n.2, pp. 163-174. ISSN 1851-9628.

Indígenas, africanos e europeus conformaram, com contribuições desiguais, a população uruguaia. Dados censitários indicam que no inicio do século XIX o país tinha 36% de africanos e descendentes, enquanto a quantidade de indígenas não estava determinada. Posteriormente, os censos não incluem informação que se refira a origem, com exceção dos estrangeiros. Em 1996- 1997 a Pesquisa de Lares solicitou a auto-declaração de "raça", e em 2006, da ancestralidade. A primeira revela que 5,9 % da população se considerava "negra ou variáveis de mestiçagem com negros", e 0,4 %, indígena ou variáveis de mestiçagem com indígenas, enquanto que para a ancestralidade os valores subiam a 9,1 %  e 4,5 % respectivamente. Os dados genéticos mostram aportes genéticos de 6% africano e 10% indígena, enquanto que a ancestralidade materna eleva estes valores a 10% e 31% respectivamente. Se discutem os dados censitários e genéticos no marco da identidade nacional.

Palabras llave : Censos; Genética; Auto-identificação; Mestiçagem; Identidade nacional.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · pdf en Español