SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número1"Ir al punto", definir plazos y objetivos: Tiempos y palabras en los tratamientos cognitivo-conductuales en Buenos Aires, Argentina"Las taperas hacen que no podamos olvidar el desalojo": Memorias de expropiación territorial en Boquete Nahuelpan índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

  • No hay articulos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO

Compartir


Runa

versión On-line ISSN 1851-9628

Resumen

MAGALLANES, Julieta. O que a "Conquista do deserto" não tirou: Identidade provincial, campo intelectual e memórias indígenas no sul de Mendoza. Runa [online]. 2019, vol.40, n.1, pp.83-99. ISSN 1851-9628.  http://dx.doi.org/https://doi.org/10.34096/runa.v40i1.5524.

O artigo analisa os processos que modificaram a configuração política, econômica e social do sul de Mendoza no final do século XIX, focando especialmente na criação de um imaginário dominante sobre a "Conquista do deserto" como o tempo de "extinção" indígena e o início da população "civilizada" da região. Em segundo lugar, examina a composição da etnologia clássica de Mendoza nos três primeiros quartos do século XX e seu papel na produção de significados duradouros de identidade e alteridade provinciais. Finalmente, ele recupera os estudos que, desde a década de 1980, tem advertido as maneiras em que as clasificaciones etnológicas precederam a historização dos processos de formação do grupo e demonstraram que a fixação de etnônimos (Araucanian, Mapuche, Pehuenche) pode ser melhor explicada em relação a processos dinâmicos possibilitados por relações de força em sucessivos períodos históricos.

Palabras clave : Conquista do deserto; Sul de Mendoza; Memórias indígenas; Intelectuais; Século XX.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )

 

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons