SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.3 número2¿Deben todos los pacientes con fracción de eyección menor del 30% recibir un desfibrilador implantable? índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Articulo

Indicadores

  • No hay articulos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • En proceso de indezaciónCitado por Google
  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO
  • En proceso de indezaciónSimilares en Google

Bookmark


Insuficiencia cardíaca

versión On-line ISSN 1852-3862

Resumen

BACAL, Fernando  y  BOCCHI, Edimar Alcides. Transplante cardíaco para a doença de Chagas. Insuf. card. [online]. 2008, vol.3, n.2, pp. 85-87. ISSN 1852-3862.

Durante os últimos 20 anos o protocolo de imunossupressão em pacientes submetidos a transplante cardíaco por doença de Chagas vêm apresentando grandes mudanças, e testemunhamos descobertas na reativação da doença após transplante, na mortalidade e desenvolvimento de neoplasias. A primeira fase foi importante porque até aquele momento a doença de Chagas era uma contra-indicação absoluta para transplante. A segunda fase começou quando ajustes no protocolo de imunossupressão foram feitos, especialmente com doses inferiores de ciclosporina, evitando efeitos adversos, principalmente neoplasias. Hoje em dia, estratégias para mudar a imunossupressão, com a substituição do micofenolato mofetil pela azatioprina mostrou-se efetiva na redução da reativação de doença de Chagas. O transplante cardíaco para a doença de Chagas é uma realidade. Embora o transplante nesta etiologia apresente peculiaridades próprias, estas dificuldades hoje são bem conhecidas, propiciando melhores tratamentos e estratégias preventivas.

Palabras llave : Doença de Chagas; Transplante cardíaco; Imunossupressão; Reativação.

        · resumen en Inglés     · texto en Español | Inglés     · pdf en Inglés