SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.7 número2Seguridad y viabilidad de la prueba ergométrica en pacientes con insuficiencia cardíacaParadoja de la obesidad índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Articulo

Indicadores

  • No hay articulos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • En proceso de indezaciónCitado por Google
  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO
  • En proceso de indezaciónSimilares en Google

Bookmark


Insuficiencia cardíaca

versión On-line ISSN 1852-3862

Resumen

SOSA LIPRANDI, Alvaro et al. Papel do bloqueio da aldosterona na insuficiência cardíaca após infarto do miocárdio. Insuf. card. [online]. 2012, vol.7, n.2, pp. 61-66. ISSN 1852-3862.

A remodelação cardíaca é a principal causa da progressão da insuficiência cardíaca (IC) e morte após infarto agudo do miocárdio (IAM). As estratégias terapêuticas dirigidas aos mecanismos fisiopatológicos da cura e remodelação parecem ser ferramentas úteis para evitar a deterioração funcional progressiva, as arritmias e a insuficiência cardíaca congestiva. Em duas reuniões consecutivas, 50 líderes de opinião se reuniram para discutir criticamente as evidências atuais. O presente documento reflete o consenso sobre o assunto: "O papel do bloqueio da aldosterona na insuficiência cardíaca após infarto do miocárdio". Interesse clínico no bloqueio da aldosterona em pacientes tratados com inibidores da enzima conversora da angiotensina (IECA) ou antagonistas do receptor de angiotensina (ARA) foi estimulado pelo estudo RALES (Randomized Aldactone Evaluation Study), que demonstrou que o antagonista receptor mineralocorticóide (RMC), espironolactona, reduziu o risco de mortalidade por qualquer causa e hospitalizações por insuficiência cardíaca em pacientes com IC severa (classe funcional III-IV, NYHA) e fração de ejeção diminuída. Posteriormente, o estudo EPHESUS (Post Acute Myocardial Infarction Heart Failure Efficacy and Survival Study) demonstrou um benefício de antagonistas do RMC de segundo geração, eplerenona, em a mortalidade da todas as causas e hospitalizações por insuficiência cardíaca em pacientes com IC e fração ejeção ventricular esquerda (VI) diminuída, no período imediatamente após o IAM. Concluindo que as indicações atuais para os bloqueadores de aldosterona são tão claras para os pacientes com sintomas moderados a severos (classe funcional III-IV, NYHA) com uma diminuição acentuada da fração de ejeção, apesar do tratamento medicamentoso otimizado. As diretrizes também suportam o uso dessas drogas em pacientes com disfunção ventricular esquerda após um infarto

Palabras llave : Bloqueio da aldosterona; Insuficiência cardíaca; Infarto agudo do miocárdio.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · pdf en Español