SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12La reina testigo: Jeanne d'Evreux en su libro de horasLas ideas-clave de Los Nombres Divinos de Pseudo Dionisio según el uso léxico índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Articulo

Indicadores

  • No hay articulos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • En proceso de indezaciónCitado por Google
  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO
  • En proceso de indezaciónSimilares en Google

Bookmark


Temas medievales

versión On-line ISSN 1850-2628

Temas Mediev. v.12 n.1 Buenos Aires ene./dic. 2004

 

EJE TEMÁTICO: La mujer en la Edad Media

Entre a guarda e o viço: a madre nas cantigas de amigo galego-portuguesas1

Paulo Roberto Sodré2

1 Este estudo é uma variante das conclusões de nossa tese Cantigas de madre galego-portuguesas: estudo de gêneros das cantigas líricas, 2003, tese de doutorado, Universidade de São Paulo.

2 Universidade Federal do Espírito Santo - Brasil

E as mulheres? Contentam-se em juntar-se à beira da fonte, no moinho, no forno do pão, ou à porta de casa, entretidas no interminável linguarejar (...)? Os diálogos entre mães e filhas ou amigas com suas amigas nas cantigas trovadorescas não são a transposição literária de algumas destas conversas? Qual a relação destes agrupamentos com o quadro familiar? Que pensa disto a mãe, o marido, o noivo?

 José Mattoso, "A mulher e a família"[1]

Resumen: Desde la afirmación de Alfred Jeanroy de fines del siglo XIX -en el sentido de que el papel de las madres en las cantigas de amigo es, casi siempre, mudo-, varios estudios se han dedicado a rebatir esa idea. Manuel Rodríguez Lapa, en 1934, fue uno de los primeros en observar que las madres llegan a protagonizar algunas cantigas. Rip Cohen, en su edición crítica de las cantigas de amigo (de 2003) incluye entre los emisores no sólo a la enamorada sino también a la madre. El papel activo desempeñado por este personaje insinúa mentalidades y actitudes poco estudiadas por la crítica. En este trabajo se analiza la representación de la figura materna en las cantigas de amigo a partir del cotejo entre estas fuentes, los tratados morales y la jurisprudencia medieval,  textos marcados por la regulación del comportamiento femenino en el Medioevo.

Palabras Clave: crítica - trovadorismo gallego-portugués - cantigas de amigo - madre

Summary: After Alfred Jeanroy stated at the end of the nineteenth century that the role of the mothers in the cantigas de amigo is mostly mute, several researchers have explored the possibility of refuting this idea. In 1934 Manuel Rodríguez Lapa was one of the first in observing that madres play the chief role in some of the cantigas. In Rip Cohen´s critical edition of the cantigas de amigo of 2003, not only the lover but also the mother are included among the speakers.The active role played by these character suggests mentalities and attitudes which have received only little attention from the specialists. This article analizes the representation of the mother figure in the cantigas de amigo by comparing it with medieval moral treatises and jurisprudence which determined the women´s accepted behavior throughout the Middle Ages.

Key Words: critique - Galicio-Portuguese troubadours - cantigas de amigo - mother

Résumé: Alfred Jeanroy, vers la fin du XIXe siècle, affirma que le rôle des mères dans les cantigas de amigo est presque toujours muet. À partir de cette circonstance, diverses études ont cherché à réfuter cette idée.En 1934, Manuel Rodríguez Lapa fut un des premiers à observer que les mères étaient même les protagonistes de certaines cantigas. Rip Cohen dans une édition critique de 2003 des cantigas de amigo considère parmi les émetteurs non seulement l’amoureuse mais encore la mère.Le rôle actif joué par ce personnage met en évidence des attitudes et des mentalités très peu étudiées par la critique.Dans cet article on analyse la représentation de la figure maternelle dans les cantigas de amigo à partir de la comparaison entre les sources, les traités moraux et la jurisprudence médiévale, textes qui réglaient la conduite féminine au Moye Âge.

Monts-Clé: critique - troubadours galaïco-portugais -cantigas de amigo - mère

1. A cobla e a voz: a madre como protagonista

    Há um trecho de Carolina Michaëlis de Vasconcelos, sobre a figura da madre nas cantigas de amigo galego-portuguesas, que revela muito de seu papel: "O seu ofício é guardar, precaver, admoestar, castigar quando as filhas se demoram na fonte ou na igreja, teimam em ir à romaria, ou voltam do bailado com o brial roto. Compassivas e favorecedoras do amante só por excepção e cálculo, mostram-se ciumentas e rivaes das filhas de longe em longe"[2]. Esse trecho denota o principal oficio da madre, o de guardadora, mas também o de cúmplice, favorecedora e, "de longe em longe", o de "rivais" da filha. Cremos que a idéia de rivalidade se deve provavelmente à cantiga "Mal me tragedes, ai filha, por que quer’ aver amigo", de Juião Bolseiro, em que a madre se queixa do fato de a filha impedir seu namoro com um rapaz, alegando a mãe ser mais formosa que ela ("e melhor ca vós paresco")[3]. Além desses papéis, Vasconcelos parece deduzir também outro, o de "celestina"[4], uma vez que as madres também favorecem o amante "só por excepção e cálculo".
   Ainda que Carolina M. de Vasconcelos destaque a predominância do ofício de guardadora e relegue à exceção o papel de compassiva, favorecedora e rival, todas as ações maternas perceptíveis nas cantigas de amigo foram alinhavadas pela lusitanista alemã  Jean-Marie D’Heur, opondo-se a essa síntese voltada sobretudo para a função de guarda da madre, assinala que essa personagem apresenta desempenho mais variado: quando em conflito com a filha, a madre pode ser "hostil" (contrária ao namoro da filha) ou "inquieta" (preocupada com o destino amoroso da filha); quando em acordo, a madre pode ser "confidente" (ouve as queixas da filha) e "aliada" (protege os amantes)[5].
   Esses estudos, dentre outros, conduziram-nos à tese de que a madre não só funciona como personagem e emissor relevantes nas cantigas femininas galego-portuguesas, mas protagonizam um gênero de que, junto com outros, a cantiga de amigo seria um conjunto ou um complexo, como deduz Rip Cohen, ao defender que as cantigas de amigo caracterizam-se pela diversidade de situações e discursos, concluindo que seria mais preciso afirmar que essa cantiga não é um gênero, mas um complexo de gêneros[6].
   Partindo, entretanto, do que preceitua a Arte de trovar, sabe-se que as cantigas de amor e de amigo se diferenciam uma da outra porque "se eles falam na prim[eir]a cobra e elas na outra, [é d’]amor, porque se move a razon d’ele (como vos ante dissemos); e se elas falam na primeira cobra, é outrossi d’amigo; e se ambos falam en ũa cobra, outrossi é segundo qual deles fala na cobra primeiro"[7]. Ele e ela, portanto, determinam em termos genológicos o que é próprio da cantiga de amor e da cantiga de amigo. Além da personagem, conta a razon (argumentação, arrazoado) de "eles" e "elas", ou seja, o tema amoroso. Ao comentar esse trecho da Arte de trovar, Jean-Marie D’Heur afirma que "la règle donnée est formelle: si le personnage masculin s’exprime en premier lieu, la chanson est d’amour, dans le cas contraire, où le personnage féminin a d’abord la parole, on à une chanson d’ami"[8]. "S’exprime" é a tradução do autor francês para "se move a razon d’ele", o que enriquece um dos sentidos do termo razon e que aproveitamos: argumento.
   Nesse sentido, relemos as quinhentas e doze cantigas de amigo editadas por José Joaquim Nunes e, além de depararmos gêneros que escapam ao conceito de cantiga de amigo[9], encontramos quatro vozes distintas que revelam quatro emissores com razon diferenciada. São eles a namorada, a mãe, a confidente e o narrador. Cada um deles apresenta uma mudança ou variação de discurso, ainda que todos eles estejam interligados pelo principal tema, a relação amorosa. Cada um deles, assim, protagonizaria um gênero que, como vimos, formará o complexo de gêneros denominado cantiga de amigo. A cantiga de namorada expõe o discurso da moça solteira preocupada com as idas e vindas do amado e suas conseqüências; a cantiga de madre, o discurso da mãe preocupada com a situação da filha, sobretudo sua castidade; a cantiga de confidente, o discurso da moça solteira preocupada com o namoro da amiga, e a cantiga de narrador, o discurso de alguém que observa, sem interferência, a moça solteira às voltas com sua paixão.
   Cada um daqueles emissores marca um tema –e provavelmente uma voz[10]– que modifica o "gênero" cantiga de amigo. Cada qual diversifica a maneira de perceber e tratar a relação amorosa. Podem-se sintetizar aqueles discursos nas seguintes perguntas: namorada: o que fazer com meu amigo?; madre: como orientar minha filha?; confidente: como ajudar minha amiga?; narrador: o que se passa com essa moça? Cada resposta desencadeia uma razon específica; cada razon propicia gêneros distintos.
   Desse modo, a cantiga de Johan Soarez Coelho,

Foi-s’ o meu amigo daqui noutro dia
coitad’ e sanhud’ e non soub’ eu ca s’ ia,
mais já que o sei, e por Santa Maria,
e que farei eu louçana? (p. 164)

ilustra a voz inicial da namorada preocupada com a angústia do amigo. Nesse tipo de cantiga (ao todo são quatrocentas e trinta e quatro), a razon se volta para o que Rodrigues Lapa denomina "os dois grandes caracteres intrínsecos da nossa cantiga de amigo", cuja síntese é "o estado sentimental criado à namorada pela ausência do amigo e a situação doméstica da filha, sob o poder vigilante da mãe"[11]. A alegria dos encontros, o despeito, a tristeza do abandono, a garridice, a ousadia da desobediência ou a suspeita perfaz o ambiente psicológico das namoradas em monólogo ou em diálogo com a madre, as fremosas e irmanas, com a natureza e com o amigo.
   Por sua vez, vinte e seis cantigas de confidente sugerem as relações de amizade, confidência, conselho entre as outras "donas" e a namorada. Revelam-se, por meio das explicações e justificativas da amiga confidente, os motivos pelos quais o amigo se afasta (por medo da moça) ou sofre (por não vê-la), como na cantiga de Pae de Cana:

Amiga, o voss’ amigo
soub’ eu que non mentiria,
pois que o jurad’ avia
que veesse, mais vos digo
que á de vós mui gran medo
por que non veo mais cedo
(p. 335)

   Sem interferir com seu interesse ou sua paixão pela moça, fundamento da cantiga de amor, o narrador registra em sua narrativa os episódios que envolvem as namoradas. Dessas catorze cantigas de narrador infere-se, por meio de um ponto de vista "neutro", o comportamento, os lugares e os sentimentos de uma moça às voltas com seu namoro. A cantiga de João Zorro flagra esse tipo de cena:

Pela ribeira do rio
cantando ia la dona virgo
d’ amor:
"Venhan-nas barcas polo rio
a sabor"
(p. 391)

   Diferentemente da voz da namorada, da confidente e do narrador, a quarta voz, a da madre, indica um discurso cujo sentido é o da hesitação entre guardar (como na cantiga de Pae Gomez Charinho, "Mha filha, non ei eu prazer" [p. 301], em que a mãe aconselha a filha a não ficar bonita para evitar a sedução do amigo), ser confidente ou cúmplice (como na cantiga de Juião Bolseiro, "– Vej’ eu, mha filha, quant’ é meu cuidar" [p. 403], em que a mãe avisa à filha que as barcas do amigo estão vindo), ser intermediária ou celestina (como na cantiga de João Airas de Santiago, "Ai mha filha, por Deus, guisade vós" [p. 543], em que mãe ensina à filha a provocar o desejo do amigo) ou ser namorada, como em "Mal me tragedes, ai filha, por que quer’ aver amigo", de Juião Bolseiro, como tivemos chance de apontar. Boa parte das cantigas de madre trata da ação guardadora da mãe (tema de dezoito cantigas); apenas uma, da ação namoradeira[12]. Talvez tenha sido esse número desproporcional que induziu os críticos a considerar a figura materna apenas pelo viés da restrição. Na cantiga de madre de Johan Airas de Santiago, no entanto, o papel de uma mulher que sabe das artimanhas da conquista amorosa é ilustrado:

Ai mha filha, por Deus, guisade vós
que vos veja <e>sse fustan trager
voss’ amigo’ e tod’ a vosso poder
veja vos ben con el estar en cos,

ca, se vos vir, sei eu ca morrerá
por vós, filha, ca mui ben vos está
(p. 543)

    A sabedoria materna é, nas cantigas femininas em que ela fala primeiramente ou em que ela responde à filha nas cantigas dialogadas[13], o índice a partir do qual se percebe sua experiência com o amor, com o namoro e com as armadilhas da sedução masculina. Pero Meogo elabora uma cantiga de namorada dialogada, em que a inexperiência da filha contrasta com a vivência da madre:

– Tal vai o meu amigo, con amor que lh’ eu dei,
come cervo ferido de monteiro del rei

(...)

E se el vai ferido, irá morrer al mar;
si fará meu amigo, se eu del non pensar 

– E guardade vos, filha, ca já m’ eu atal vi
que se fez<o> coitado por guaanhar de min
(p. 419)

   Esse tipo de confidência da madre baseou a afirmação de Stephen Reckert de que "o tempo presente da filha é o passado da mãe, o presente da mãe pode ser o porvir da filha"[14]. Nesse sentido, nas vinte e sete cantigas que ela protagoniza e nas dez em que ela dialoga com a filha, a madre se expõe como uma mulher que guarda a filha das experiências que ela mesma viveu, porta-se como confidente de filha que um dia foi, intercede nas relações de que foi alvo no passado e namora. Como se pode deduzir, a madre é protagonista de um gênero certamente devido a seu papel fundamental na cultura medieva, a despeito do propalado masculinismo desse período.           

2. A razon da madre e os regimentos sobre as mulheres

   Os documentos jurídicos e moralistas, em que se patenteia o problema do desempenho social e ético dos homens, oferecem-nos os preceitos por meio dos quais as pessoas ajustavam seu comportamento baseado no dever e no direito. Cada ordem social, cada categoria tinha um papel a desenvolver na comunidade. A maternidade, dada sua função familiar, é um dos alvos das prescrições e conselhos registrados na jurisprudência e nos tratados morais, nomeadamente os espelhos[15]. Estudá-los permite-nos ampliar o campo de visão sobre a presença da mãe na cultura dos séc. XIII e XIV.
   Já nas Etimologías, minuciosa "enciclopédia" do séc. VII, Isidoro de Sevilha arrola os termos concernentes à maternidade:

Matrona es la mujer casada. Y se la llama matrona, o madre de un nacido, porque puede ya ser madre: de aquí toma su origen el vocablo matrimonio. No obstante, hay que distinguir entre matrona y madre, y entre madre y materfamilias. Es "matrona" porque ha contraído matrimonio; "madre", porque ha engendrado hijos, y "materfamilias", porque, mediante un solemne acto jurídico, ha pasado a pertenecer a la familia del marido[16].

   O autor de Sevilha detecta na palavra mater a seguinte etimologia: "Se dice "madre" porque de ella procede algo. Mater viene a equivaler a materia; el padre, en cambio, es la causa"[17]. Embora a mulher gere "algo", sua submissão se mantém à "causa", o pai, reduzindo-se assim seu poder e seu papel criadores. Desse modo, ser o homem a "causa" e, por conseguinte, o tutor da mulher justifica-se, segundo Isidoro: "las mujeres se encuentran bajo la potestad del varón, porque suelen ser frecuentemente engañadas por la ligereza de su espíritu. De ahí que resultara justo que se vieran gobernadas por la autoridad del hombre"[18].
   Na Partida IV, Alfonso X, no século XIII, explica o porquê de o casamento ser nomeado matrimônio e não patrimônio, justificando uma pretensa etimologia mas, acima de tudo, definindo o papel que caberia à mulher:

 Matris & munium, ſon palabras de latin, de q tomo nome matrimonio, que quier dezir tanto en romance, como officio de madre. E la razõ por que llaman matrimonio al caſamiento, e nõ patrimonio, es eſta. Por que la madre ſufre mayores trabajos con los fijos, que el padre. Ca como quier que el padre los engendra, la madre ſufre muy grand embargo, con ellos, demientra que los trae, e ſufre muy grandes dolores quãdo hã de naſcer, e deſpues q ſon naſcidos, ha muy grãd trabajo en criar a ellos miſmos por ſi. E de mas deſto, por q los fijos miẽtra ſon pequeños, mayor meneſter hã dela ayuda dela madre que del padre. E por todas eſtas razões ſobre dichas, q caben a la madre de fazer, e nõ al padre: porende es llamado matrimonio, e non patrimonio[19].

   Tomando apenas esses dois testemunhos, em diferentes momentos da Idade Média, entende-se o porquê de na história das mulheres medievas em geral predominar a idéia de que a mulher desempenha um papel social sem matizes, retida nas obrigações maternais e domésticas. O casamento e suas implicações jurídico-econômico-sociais, além de seu status religioso, são altamente valorizados, o que motivou provavelmente Alfonso X a estruturar suas Partidas em torno desse tema. Vale a pena citar a explicação do Sábio:

 Aſsi como el coraçon es pueſto en medio del cuerpo, do es el ſpũ (espírito) del ome, õdeva la vida Pa todos los miẽbros. E otro ſi como el ſol que alumbra todas las coſas, e es pueſto en medio delos ſiete cielos, do ſon las ſietes eſtrellas, que ſon llamadas planetas. E ſegũd aqueſte, puſimos la partida, que fabla del caſamiẽto, en medio delas otras ſeys partidas deſte libro[20].

   As imagens do "coraçon" e do "ſol" dimensionam bem o relevo que é dado ao matrimônio, centro da vida espiritual e social do homem. Em documento cuja numerologia pretende ser cuidadosamente justificada ("Septenario es cuẽto muy noble a que loarõ los ſabios antiguos"[21]), o núcleo leigo da vida medieva só poderia estar relacionado com o "desposorio" (promessa verbal de núpcias) e o casamento de homens com idade de catorze anos e mulheres com idade de doze.
   Segundo Silvana Vecchio, em "A boa esposa", a mulher tem, de modo geral, como espelho a figura bíblica de Sara, e, por mandamentos, o amor contido, a fidelidade ao marido, o amparo à família, o amor materno, o governo da casa, cabendo-lhe fundamentalmente a guarda da conduta das filhas que

devem ser mantidas longe da freqüência de companhias inadequadas e da participação em festas ou danças. Relativamente às filhas, as mães, elas próprias sob a custódia do marido, reproduzem a mesma atitude repressiva, voltada para a mesma finalidade: preservar o corpo feminino de qualquer contacto que ataque o valor fundamental, a castidade. O controlo da sexualidade das filhas surge de facto como âmbito privilegiado da pedagogia materna, o único do qual a mãe, seja como for, é responsável, independentemente até da sua própria moralidade: as mulheres más, observa Filipe de Novara, podem ser, como mães, até melhores que as boas, hábeis como são em reconhecer nas filhas os sinais da ‘loucura’ que já experimentaram directamente. Mas quando a iniciativa pedagógica vai para além da simples custódia para se dotar de conteúdos propriamente educativos, já não pode ser apanágio feminino e transfere-se decisivamente para a figura paterna[22].

   A "custódia" e o "controlo da sexualidade das filhas", como se sabe, é um dos temas mais freqüentes nas cantigas de amigo em que a madre é interlocutora, emissora ou apenas referência nos monólogos da filha com o amigo ou com outra amiga. O modelo materno de que trata Silvana Vecchio é ilustrado à perfeição pelos cantares femininos galego-portugueses, na medida em que a madre cuida, severa ou complacentemente, dos passos da filha apaixonada. João Airas exemplifica esse zelo na cantiga "Amigo, quando me levou/ mia madr’, [a] meu pesar, d’aqui":

Amigo, quando me levou
mha madr’<a> meu pesar daqui,
non soubestes novas de mi,

e por maravilha tenho
por non saberdes quando vou

nen saberdes quando venho (p. 542)

   A namorada se aborrece com o amigo que não se esforça por saber dos percursos que sua mãe a força fazer ("<a> meu pesar"). Na queixa, revela-se a estratégia materna de evitar que a filha encontre o amigo, de maneira que esta não saiba quando vai nem quando vem. Tanto a mãe como a filha sofrem a pressão da custódia: uma, por vigiar; outra, por ser guardada.
   Contudo, o desempenho "casto" e "honesto" de mães e filhas no medievo está longe de ser monocórdico, como se pode deduzir, na falta de documentos históricos que o comprovem, dos enredos da literatura cortês dos romances, fabliaux e cantigas, como a cantiga da madre-namorada, de Juião Bolseiro. Se levarmos em consideração ainda o possível ambiente histórico da Reconquista, entre os séculos XI e XIII, quando se ausentam os maridos para a guerra e permanecem as mulheres no controle da casa e da família, a possibilidade de relações extraconjugais ou mesmo livres, sem o aparato censório da Igreja, parece existir[23]. Tal aspecto do comportamento sexual das mulheres campesinas, espartilhado com dificuldade pela Igreja[24] e pela pregação das ordens mendicantes[25], revela as fendas a partir das quais se pode entrever certa atividade erótica das mães e casadas, desde que sua atitude não redundasse em perigo (alienação de bens, criação de bastardos) para os homens que as custodiassem.
   As cantigas satíricas galego-portuguesas, por exemplo, ambiguamente situadas entre a história e a ficção, a circunstância e a brincadeira –daí sua importância como discurso para comentarmos a caracterização da madre peninsular–, representam a imagem materna de maneira a ilustrar o matiz diversificado do comportamento feminino.
   A preocupação com a educação da filha e com os misteres necessários a sua formação é exposta, embora pela negativa, em "Quen a sa filha quyser dar", de Pero da Ponte. Ainda que o pronome "quen" implique tanto o pai como a mãe, é provável que sejam as madres as destinatárias do trovador, uma vez que é Maria Domingas quem ensina "sa filha" a seduzir ("ambrar"[26]) e não a seguir o que normalmente as filhas deveriam fazer:

E quen d’aver ouver sabor,
non ponha sa filh’a tecer,
nen a cordas, nen a coser,
mentr’esta mostra aqui for,
que lhi mostrará tal mester
por que seja rica molher,
ergo se lhi minguar lavor
[27]

   A arte de "ambrar", que Maria Domingas ensina a sua filha, revela o traço comum à figura da Celestina. Nas cantigas de madre, contudo, o aspecto sexual é atenuado por um propósito mais discreto da madre que, como vimos, ensina à filha a provocar o namorado, deixando-se "estar en cos" e trazendo um "fustan".
   Os trabalhos femininos são referidos também por Fernan Garcia Esgaravunha, cuja cantiga faz parte da "polêmica da ama", desencadeada por João Soares Coelho ao dedicar talvez a Maria Migueis[28] ou a Urraca Guterres Mocha uma cantiga em que se joga com o sobrenome (Mocha), seu sinônimo ("Amma", nome vulgar de "strix nocturna" ou coruja) e parônimo ("ama" de meninos[29]). Supondo que Soares Coelho tivesse dedicado uma cantiga de amor a uma não-nobre, Esgaravunha satiriza a "ama-senhor", atribuindo-lhe a excelência de seus "aristocráticos" misteres. Como se trata de um retrato vivamente doméstico da mulher casada, cremos valer a pena a transcrição da primeira estrofe da cantiga:

Esta ama, cuj’ é Joan Coelho,
per bõas manhas que soub’ aprender,
cada u for, achará bon conselho:
ca sabe ben fiar e ben tecer
e talha mui ben bragas e camisa;
e nunca vistes molher de sa guisa
que mais límpia vida sábia fazer
[30]

   Certamente, os afazeres dessa "ama" devem ser o que se idealiza numa mulher do burgo ou aldeã, tornando-as "molheres preçadas". Coser, fiar, cozinhar, lavar, cuidar da criação e esconjurar bruxedos compõem o rol das qualidades da casada, para regalo de aldeões, vilãos e burgueses menos ricos. Dados sobre o cotidiano feminino se detectam também na leitura das leis[31], em que se percebem os locais de movimento e importância da mulher: a casa, o moinho, o forno, as fontes[32]. Os serviços das mulheres compreendem também cuidar das enfermidades e lavar roupa[33].
   Além da educação das filhas e dos afazeres da casa, as cantigas satíricas aludem a outros aspectos do comportamento da madre. Tratando-se de um discurso maledicente, voltado para as mazelas sociais e morais, tais cantigas denunciam também o desejo fora da norma, que a madre poderia experimentar. Na cantiga de Afonso Soárez Sança: "Poren Tareija Lópiz non quer Pero Marinho:/ pero x’el é mancebo, quer-x’ ela mais meninho", o desejo de uma viúva por homem jovem e robusto é tratado[34]. Também o incesto é insinuado por Estêvão da Guarda, na cantiga "En tal perfia qual eu nunca vi", em que Don Foan diz que "Sempr’ esto ["perfiar"] ouvemos d’ uso,/ eu e mia madre, en nosso solaz:/ de perfiarmos eno que nos praz"[35].
   Esses aspectos da etologia da madre permitem-nos vislumbrar as possibilidades de retrato que podem elucidar a personagem que estudamos. Não somente o "modelo de Sara" nem apenas o "exemplo de Maria Domingas" ilustram o longínquo e obscuro trajeto das mulheres medievais peninsulares. Menos previsível do que pensamos, mais complexa do que imaginamos, a situação da mulher, em particular a madre, apresenta posturas que dão a sua representação nas cantigas de amigo dimensão mais texturizada do que a dos estereótipos facilmente classificáveis, quais sejam, o de guardadora e confidente, haja vista a madre-namorada de Juião Bolseiro.
   Se o interesse pela história das mulheres, no medievo ocidental, vem aumentando consideravelmente o número de estudos a ela dedicados, o foco de atenção sobre a figura materna –no caso das cantigas de amigo peninsulares, como vimos, camponesa (e talvez esposa de homem sem terra[36]), burguesa e/ou nobre– não consegue ganhar contornos mais seguros, haja vista a escassez de documentação sobre mulheres dessas ordens sociais[37]. Mesmo nos vários estudos publicados sobre a mulher castelhana, poucas cores são dadas ao cotidiano das relações entre mãe e filha. Isso se agrava se considerarmos o que afirma José Mattoso sobre a historiografia dedicada às mulheres em Portugal:

Começar por dizer que os estudos históricos sobre a mulher e a família estão ainda na infância, é ainda um mero lugar comum –sinal de que os progressos nesta matéria têm sido poucos, se não a nível mundial, pelo menos no nosso país-. Digo ‘ainda’ porque a afirmação mantém-se, apesar de o que se escreve sobre ela se ter multiplicado a uma velocidade vertiginosa durante os últimos dez anos[38]

   Alguns anos depois dessa constatação, ainda pouco se sabe sobre determinados grupos sociais da Idade Média, preeminentemente o feminino[39]. A madre galego-portuguesa é um deles. José Mattoso, ao levantar questões sobre a sociabilidade feminina em oposição à masculina, aponta a possibilidade de as cantigas de amigo revelarem aspectos dessa vida social: "os diálogos entre mães e filhas ou amigas com suas amigas nas cantigas trovadorescas não são a transposição literária de algumas destas  conversas (o interminável linguarejar das mulheres à beira da fonte, no moinho etc.)? Qual a relação destes agrupamentos com o quadro familiar? Que pensa disto a mãe, o marido, o noivo?"[40].
   O que objetivamos discutir passará inevitavelmente por essas questões e, decerto, por outra: que cultura, que tradição, que contexto confere importância à madre para que esta, em vinte e sete cantigas, protagonize o discurso poético? Se na canção de mulher européia ela aparece mas com interesse menor[41], o que levaria os trovadores galego-portugueses a dar-lhe uma voz que manifesta, ao contrário do caráter satírico que Neidhart von Reuental dá às cantigas em que aparece a mãe, "velhinha" caprichosa e fogosa[42], não apenas seu perfil de esposa guardadora da honra da filha, mas também de enamorada que crê ser impossível o viço feminino sem o amor de um amigo?
   As respostas são propiciadas, ainda que na maioria das vezes de modo impreciso, pelos textos que documentam a história, a jurisprudência, a teologia, a pedagogia que regia o comportamento dos medievos. Dentre esses documentos, destacamos, como vimos assinalando e citando, as ordenações e os tratados morais.
   Mas uma questão resiste: como situar a madre das cantigas de amigo em ambiente histórico medieval peninsular dispondo-se de escassíssima documentação? A qual ordem social pertenceria essa personagem? Como avaliar seu comportamento e a relação que se estabelece entre este e os valores morais que eram apregoados pela Igreja e pela Justiça do rei?
   Algumas informações são ensaiadas em estudos panorâmicos que raramente abordam a história peninsular, como a História das mulheres: a Idade Média, dirigida por Christiane Klapisch-Zuber, ou La mujer en la Edad Media, de Margaret Wade Labarge[43]. Poucos são os estudos específicos, como La mujer en la Reconquista, de Heath Dillard[44], que tratam da situação doméstica que nos interessa mais de perto.
   No que concerne à ordem social, por exemplo, convencionou-se que as mulheres das cantigas de amigo são camponesas ou vilãs, como atesta uma cantiga de Bernal de Bonaval, "-Ai fremosinha, se ben ajades,/ longi de vila quen asperades?" (p. 363) e de Dom Dinis, "Que fazen en vila" (p. 628). Todavia, a cantiga de Pedr’ Amigo de Sevilha, "– Dizede, madre, por que me metestes" (que trata da queixa da filha contra a "prison" onde a mãe a encerrou), indica que a amiga também pode ser de linhagem: "sodes vós, filha, de tal linhage/ que devia vosso servo seer" (p. 453). O termo "dona", típico da nobreza[45], aparece em cantigas de Gonçal’ Eanes do Vinhal, "ai, dona’, lo meu amigo" (p. 191); de Pai Soarez de Taveirós, "Donas, veeredes a prol que lhi ten" (p. 124); de João de Guilhade, "Vistes, mhas donas: quando noutro dia" (p. 235), ou de João Zorro, "cantando ia la dona d’algo" (p. 391). O termo "donzela" também é utilizado, como na cantiga "Estas donzelas que aquí demandan" de João de Guilhade (p. 246), na cantiga ""Par Deus, coitada vivo" ("el mh-as deu, ai donzelas") de Pero Gonçalvez de Porto Carreiro (p. 321), ou na cantiga "Quand’, amiga, meu amor veer" ("a donzela por que sempre troubou") de Afonso Sanchez (p. 254). Além disso, outro índice de nobreza parece ser o uso de jóias pela donzela, na cantiga "Enas verdes ervas" de Pero Meogo: "Des que los (cabelos) lavei,/ d’ouro los liei" (p. 422).
   Diante desses exemplos e do laconismo das outras centenas de cantigas quanto à ordem social, é temerário optar por esta ou aquela. Mesmo levando em consideração a possível origem popular das cantigas de amigo, deve-se lembrar que estas são produtos cortesãos e que facilmente se substituiria a moça da aldeia por uma "filha d’algo"[46].
   Ainda no que diz respeito à convenção sobre a ordem social da mãe e da filha galego-portuguesas e do lugar onde vivem, o campo parece ser o cenário comum nas cantigas de amigo, na medida em que paisagens de rio e de fonte indicam tal espaço, mais do que o da "vila" de Bonaval e Dom Dinis. Mas ao contrário do aspecto meramente bucólico a que parece estar relacionado, o campo apresenta complexidade sócio-econômica. Nessa área rural convivem camponeses que diferem em diversos pontos.
   Linda M. Paterson realça a falta de homogeneidade social entre os camponeses occitânicos, na medida em que se diferem pela riqueza (dispor ou não de rebanhos), habilidades (artesãos, ferreiros, sapateiros, barbeiros), a extensão das terras cultivadas, relativa dependência do senhor, funções (caçadores profissionais, agentes senhoriais, administradores[47]). Se não as mesmas diferenças, nos campos peninsulares também se percebem diversas categorias de servos e trabalhadores rurais[48]. Além disso, a Reconquista contribuiu –em território português, ao menos– para mudanças sociais durante os séc. XII e XIII, o que permitiu que servos passassem a colonos ou a artesãos, e estes a pequenos proprietários[49]. Isto posto, de que ordem social e de qual extrato profissional trataríamos para nos aproximar da madre e de sua filha? Que educação e que vivência pressuporíamos para focalizar essas personagens?
   As fontes não apresentam respostas nítidas. As ordenações e os tratados morais são dirigidos às mulheres preferentemente aristocratas. Isso se explica, sobretudo no caso dos tratados, pelo fato de somente as cortes reais ou senhoriais, leigas e eclesiásticas, interessarem-se e poderem financiar a confecção de textos que primam pela formação de seus herdeiros, dependentes ou pretendentes. Neste sentido, as mulheres serão orientadas moralmente, tendo em vista sua nobreza ou sua relação estreita ou indireta, no caso das aldeãs e vilãs, com as nobres.
   As crônicas tratam escassamente da figura feminina. Ana Rodrigues Oliveira observou os muito poucos episódios femininos destacados, por exemplo, na Crónica de cinco reis de Portugal, os quais, não obstante, nortearam-na na elaboração de As representações da mulher na cronística medieval portuguesa (sécs. XII a XIV), dissertação minuciosa, cujas fontes variam entre anais, memórias, livros de linhagens e crônicas, além de textos literários. Nesse estudo, rainhas, infantas, mancebas, bastardas e fidalgas se tornam relativamente visíveis. Disso se depreende a tendência de os cronistas tomarem como nefastos os períodos em que as mulheres assumiram ou interferiram (por meio da sedução e da paixão dos reis) no poder[50]. Leonor Teles, rainha de D. Fernando, é um flagrante exemplo, além de Mécia Lopes de Haro, rainha de D. Sancho II. Na contramão dessas mulheres, entretanto, D. Mafalda de Moliana, rainha de D. Afonso Henriques, D. Dulce, de D. Sancho I, D. Urraca Afonso de Castela, de D. Afonso II, ou D. Isabel de Aragão, a rainha-santa de D. Dinis, deixaram nas crônicas a marca positiva do desempenho feminino tipicamente medieval: casar-se, ter filhos que garantam o trono e a linhagem, cuidar devotadamente dos pobres e desvalidos, e morrer honestamente.
   Sobre as vilãs quase nenhum detalhe cotidiano é registrado, embora se mencionem algumas mulheres (geralmente das cidades) e atividades no conjunto das crônicas estudadas por Ana Oliveira: "agraciadas por milagres da Rainha Santa, Catarina Lourenço e Constança Anes, freiras doentes, Maria Martins, mulher cega de Coimbra, uma freira do Mosteiro de Odivelas e Urraca Vasques, molher da Rainha, uma regateira dos mercados de Coimbra e Helena, uma alcoveta actuante nas cidades da Beira"[51]. Predominam, como era de esperar, as mulheres de elite ligadas à família aristocrata européia, o que não ocasiona, de todo modo, registros de seus afazeres, hábitos e convivência, senão esparsa e genericamente[52].
   É de notar que os cronistas, atentos aos feitos dos homens valorosos, reduzem ao máximo a presença das mulheres nas crônicas, relegando-as freqüentes vezes às menções estritamente necessárias e diretamente ligadas ao casamento, à prole legítima e à linhagem dos reis. Por essa razão, "quase não referem o leito como lugar de efectiva e exposta maternidade, considerando mais digna da memória feminina não o nascimento mas a fecundação, devido ao facto de ser esta que mais punha em causa o contributo masculino"[53].
   Já as ordenações conseguem dar maior visibilidade às mulheres e, particularmente, às mães que disponham de bens. Embora incompleto, o Livro de leis e posturas é a primeira recolha de leis portuguesas, de finais do séc. XIV. Nele constam disposições legais dos reinados de D. Afonso II, D. Afonso III, D. Dinis e de D. Afonso IV, período em que se desenvolveu o trovadorismo galego-português. Anteriores são as Las siete partidas, de Alfonso X[54]; posteriores são as Ordenações del-rei Dom Duarte e as Ordenações afonsinas, do séc. XV[55]. Nas referidas leis, de modo geral, apenas as mulheres "honradas" terão benefícios jurídicos, ficando as outras esquecidas[56]. Raramente as ordenações se preocuparão com a vida jurídica dos camponeses, aldeãos e vilãos pobres. As menções a essa ordem ("esto se entende tambem nos filhos dalgo come nos vilãos"[57]), entretanto, são feitas do ponto de vista ético: crimes contra a moral e os bons costumes.
   A participação da mulher na vida jurídica é restrita: não poderá nem deverá ser "enqueredor de dereito"[58], mas poderá fazer procuradores[59] e ser arrolada como testemunha de testamento, segundo direito consuetudinário: "costume foi e he d’antigamente em eſtes Regnos geeralmente uſado, julgado, e appellado, e confirmado em Juizo contraditorio, ſe o teſtamento he feito com cinquo teſtemunhas, ainda que algumas dellas ſejam molheres, tal teſtamento val, e he avudo por boom e valioſo, aſsy como ſe teveſſe ſete teſtemunhas todos barooẽs"[60]. No Livro das leis e posturas, no entanto, especificam-se mais as situações em que a mulher poderá testemunhar, revelando as limitações de sua atuação e demonstrando seu campo de vivência cotidiana:

en teçimentos. e en fiamentos. e en catamentos de molheres e em nacença de menjnhos dessum com outros homeens. [...] Outrossy se algũu quer fazer filho doutro por fama da terra podem seer testemunhas as molheres dessum com os homens desta fama tal E os logares en que podem seer testemunhas. som estes. em Muynho. e en forno. e en lauandaria. e em banho E nom podem seer. testemunhas. en preyto de crime. saluo sse o fecto crimjnal for fecto en algũu dos logares em que/ elas podem seer testemunhas[61].

   Outras leis manifestam, entretanto, a custódia estatal sobre a mulher. No caso da viúva que desbarate seus bens, o Rei poderá seqüestrá-los, de modo a evitar a miséria daquela e de seus herdeiros:

e querendo contrariar as minguas das ditas molheres, e proveer aos ſeus ſucceſſores, mandamos, e eſtabelecemos, que ſe daqui em diante provado for aas ditas molheres , que maliciozamente, ou ſem razom desbarataõ ou enalheaõ ſeus beẽs, que logo as Juſtiças dos Lugares, hu as ditas molheres beẽs ouverem, os tomem todos, tenhaõ per noſſo mandado, dando a ellas ſeu mantimento, ſegundo as peſſoas que forem, e os encarregos que ouverem; e devem-no fazer ſaber a nós, pera mandarmos proveer a eſſes beẽs, em guiſa que aquelles, que os uverem de herdar, nom recebaõ dapno[62]

   O que parece estar em jogo, nessa atitude do Rei, além do paternalismo evidente, é a competência e a honestidade da mulher. Ao delegar a curadoria à esposa do sandeu ou do pródigo (que é o mesmo caso da viúva que "desbarata ſeus beẽs como nom deve"), o monarca e sua Justiça pretendem salvaguardar o patrimônio de uma família, submetendo-o à mulher que seja "honesta, e de boõ entendimento, e quiſer a aminiſtraçom"[63].
   Desses livros normativos emerge uma variada tipologia feminina: virgem, religiosa, emparedada, casada, mãe, viúva, barregã, manceba, tutora, curadora, soldadeira, forçada, adúltera, incestuosa, alcoviteira. O valor das mulheres assentava ou em sua castidade ou em sua honra de mater familias, em sua capacidade de administrar os bens de seus maridos e filhos. Para além disso, nas margens sociais, restava-lhe ou o papel de vítima dos homens (e sua possível ascensão ao papel de casada, já que no caso de estupro ou sedução, se a mulher o quisesse, o homem era obrigado a casar-se) ou de proscrita. Todas, no entanto, estão submetidas à custódia do rei, do padre, do pai, do irmão ou do marido.
   De algum modo, pode-se falar de um protagonismo jurídico-social da mãe, na medida em que são o matrimônio e a maternidade as funções fundamentais da mulher na sociedade medieva[64]. As leis tendem a dar a esta condição feminina todo o aparato necessário para preservar sua dignidade e manter seus bens, sobretudo em função dos filhos. Percebendo a importância da mater é que Dom Alfonso X definiu o matrimônio como "ofício de mãe", como já tivemos oportunidade de comentar.
   Manuel Paulo Merêa, em Resumo das lições de história do direito português, comenta as ordenações medievais de modo a ajudar a compreender os meandros dessas leis. No Capítulo "A Família", há sínteses que vimos ilustrando e alinhavando:

no campo das relações patrimoniais a autoridade do marido revela-se nos poderes de administração, e sobretudo na regra por fôrça da qual a mulher casada não pode contratar, afiançar, nem estar em juízo, como autora ou como ré, sem consentimento do marido –salvo, dizem alguns forais, sendo mulher que "merque e compre"-.
Os poderes do marido não eram ilimitados. Para alienar bens de raiz ou para litigar sôbre êles necessitava da outorga da mulher
[65]

   Ao analisar mais especificamente as mulheres galegas na Baixa Idade Média, por meio dos contratos de foros, María del Carmen Pallares Méndez observa certo protagonismo da mulher no campo:

 En el mundo campesino, las mujeres dominan el trabajo doméstico y participan en el trabajo de los campos. Por lo que se refiere al primer aspecto conviene no olvidar que la intensificación en el trabajo de la casa ha acompañado el incremento de la actividad en los campos de la Galicia de los siglos centrales de la Edad Media que, apoyado en el crecimiento demográfico, significó, en primer lugar, el aumento del número de hijos en cada hogar. Pero no se limita al interior de la casa la participación de las mujeres en ese proceso. Los contratos de foro, que desde los primeros años del siglo XIII regulan en Galicia las relaciones entre señores y campesinos, dan a las mujeres una importancia que parece comparable a la de los hombres en la dirección de las explotaciones cedidas. En los foros cedidos a matrimonios, se prevé indistintamente la responsabilidad de cada cónyuge en las obligaciones estipuladas en el contrato, una vez desaparecido uno de los dos. Un protagonismo de la mujer en la dirección de la explotación campesina, que queda todavía más claro en aquellos contratos relativamente abundantes que son concedidos a mujeres solas, frecuentemente viudas. Parece, por tanto, que el valor económico de las mujeres en las explotaciones campesinas rebasa el espacio estrictamente doméstico[66]

   Embora Paulo Merêa e María del Carmen Pallares Méndez apresentem conclusões relativamente otimistas, sabe-se que entre o idealismo das leis e a prática jurídica há uma extensa história de sonegações, subornos, desobediências, coações e contradições que as circunstâncias de um modo geral disfarçam ou mascaram. O que predomina, de fato, é a noção de inferioridade feminina em todos os aspectos da vida social no Medievo peninsular.
   Submetidas à honra masculina, seja pela autoridade do pai, seja pela do marido ou de outro homem judicialmente superior, as mulheres têm o favor das leis desde que a expectativa masculina sobre seu comportamento seja cumprida: virgindade das solteiras, boa administração da casa e boa educação dos filhos da casada, castidade das viúvas e religiosas e, considerando a observação de María Pallares Méndez, proveito econômico das mulheres do campo, além das outras "desonradas", desde que arrependidas e prontas para o casamento ou para a devoção. A essas mulheres os benefícios; às outras, a indiferença, a perseguição e as penas.
   Provavelmente devido a isso, a madre da cantiga de Pae Gomez Charinho afirma apreensivamente:

Mha filha, non ei eu prazer
de que parecedes tan bem,
ca voss’ amigo falar vem
convosc’, e ven<ho> vos dizer
que nulha ren non creades
que vos diga que sabhades

filha, ca perderedes i
e pesar mh á de coraçon
e já Deus nunca mi perdon,
se menç, e digo vos assi
que nulha ren non creades
que vos diga que sabhades (p. 301)

   Sua preocupação com a custódia ("ora vos defend’ aqui") exprime-se na medida em que o perigo que ronda sua filha aumenta sob a lábia do amigo ("que vos diga que sabhades"). A possibilidade da sedução ("ca voss’ amigo falar ven") e a tendência de a filha se deixar levar, haja vista seu prazer em falar com o amigo ("parecedes tan ben"), tornam a madre tensa ("pesar mh á de coraçon") diante da perda da castidade da filha ("ca perderedes i"), já que esta seria de sua inteira responsabilidade ("e demais pesa a min"). O tema da guarda se desenvolve nessa e noutras cantigas, a que subjaz a pressão inclusive das leis.
   Os tratados morais são outra fonte valiosa para a compreensão do contexto das cantigas em que madre e filha se movimentam. Dirigem-se os autores principalmente às ricas e poderosas, rainhas e princesas, o que acarreta o mesmo problema que apontamos acerca das crônicas e das ordenações sobre as mulheres: ficam excluídas as camponesas sem dinheiro. No Capítulo "A mulher sob custódia", Carla Casagrande lista vários autores e diversas obras dirigidas ao público feminino, fosse na igreja ou na corte, fosse por meio de sermões ou de manuais de conduta, isto porque

 entre os finais do século XII e o início do século XIV, virgens, viúvas e mulheres casadas impõem-se portanto como as principais interlocutoras de pregadores e moralistas: por vezes ao lado de outras categorias femininas, outras vezes insinuando-se no seu interior, outras vezes ainda incluindo-as, frequentemente ocupando o espaço sozinhas[67]

Ciente da necessidade de se prepararem as mulheres nobres para o exercício doméstico e político junto aos reis e a outros senhores, o frei agostiniano Egídio Romano, no Regimiento de los príncipes, do séc. XIII, dedica alguns capítulos à educação feminina. Nesse speculum regum, Egídio Romano pretende educar o herdeiro de Felipe de França por meio "de los dichos de los philoſophos: e principal mẽte de Ariſtoteles"[68]. Incluir as mulheres nessa formação áulica testemunha o papel expressivo, ainda que sob custódia e subservientemente, que elas desempenham.
   No segundo livro, "en que fabla del gouernamiento dela caſa: o dela compañia", Romano trata do governo das mulheres, dos filhos e dos servos, partindo do suposto de que um bom rei deve ser um bom rei antes em sua própria casa. A partir do capítulo VIII, as idéias sobre matrimônio ("el matrimonio fue ordenado ala generaciõ delos fijos"[69]), fidelidade feminina ("devẽ guardar fieldad los caſados ſeñalada mente las mugeres alos maridos"[70]), qualidades físicas da mulher ("las mugeres non ſola mente deuen ſer apoſtadas de los bienes del alma: mas aun delos bienes del cuerpo"[71]), sujeição aos maridos ("las mugereſ ſegũd q dize el apoſtol deuẽ ſer ſubjectas a ſus maridos ſegũd que demãdan las leyes del matrimonio"[72]), ou sobre o tempo de gerar filhos ("las mugeres en aquel tiẽpo [o frio] ſõ mas aparejadas para engendrar. E eſſo miſmo los omes"[73]) são justapostos aos elogios e vitupérios contra as mulheres.
   Famoso, o capítulo XVIII "demueſtra que algunas coſtumbres delas mugeres ſon de loar e algunas coſtumbres de denoſtar": são envergonhadas, piedosas e diligentes, mas são também destemperadas, faladeiras e instáveis. A esta tríade se acrescenta ainda a falta de sabedoria, o que sujeita as mulheres à custódia dos homens ("como las mugeres hã menos de razõ q los varones: e porẽde deuẽ ſer ſubjectas alos varones. Aſſi algũnos omes q hã menos razõ q mugeres: deuẽ ſer ſieruos e ſubjectos natural mẽte"[74]) e afasta-as da ação de aconselhar ("las mugeres non hã cõſejo acabado porq ſon mẽguadas delos entendimiẽtos"[75]).
   Os vitupérios do frei agostiniano são compensados por sua sensibilidade à capacidade de superação das mulheres. Exemplo disso é o capítulo XXIIII, em que ele demonstra que, embora incapazes de guardar segredos ("nunca los maridos deuẽ reuelar aſus mugeres grãdes poridades e grãdes fechos"), devido a sua tendência à desobediência, suscetibilidade e vanglória, "aqlla inclinaciõ puedẽ las mugeres vencer cõ uſo de razon"[76].
   Efetivamente, o pensamento do frei Egídio Romano endossa o lugar-comum sobre a função das mulheres no medievo: castas e silenciosas, humildes e diligentes, discretas e devotas, são as futuras esposas, mães de filhos legítimos que herdarão o trono ou o senhorio dos grandes homens, garantindo-lhes a linhagem e os bens. As filhas devem ser guardadas, para que se evitem os desvios e a vergonha. As mães devem estar completamente atentas aos afazeres da filha, de modo a afastarem-na do ócio, dos maus pensamentos, das companhias inconvenientes[77].
   Essas observações sobre a atenção dada às mulheres nas crônicas, nas leis e na prosa doutrinária aquilatam o tipo de resposta que estes textos oferecem ao estudo sobre a madre e a filha galego-portuguesa. Imprecisão e dispersão, sobretudo no que diz respeito ao período dos reinados[78] e à ordem social, compõem o painel que as fontes indicam.
   Todavia, um aviso do jurista florentino Francesco da Barberino, em Il Reggimento e costumi di donna, do séc. XIV, ajuda-nos a desbaratar a dificuldade de cotejar o comportamento da madre e da filha com os valores morais e o contexto social coevo. No tratado, o autor italiano apresenta conselhos dirigidos às mulheres aristocratas, burguesas e aldeãs sobre as qualidades como o falar o estritamente necessário, o comportar-se à mesa, o cantar "d’una maniera bassa/ soavemente", o bailar honesto, o bem adornar-se, o rir "senza alcun rumore/ sembranza faccia d’alcuna allegrezza", o choro "sanza voce"[79] ou a formação literária, as quais devem ser adquiridas e/ou cultivadas pelas destinatárias, filhas de imperador e de rei, de marquês, duque, conde. Ao dirigir-se às mulheres de grau inferior, aconselha, segundo Giovanne Festa, que "ogni donna di ciascun grado inferiore, potrá ridurre ed adattare a sé, menomando e crescendo, le cose sudette, prendendo quanto a lei si conviene"[80].
   O espelhar-se das mulheres simples nas nobres[81], de modo reduzido ou adaptado, parece indicar um fundo pedagógico comum na cultura do Ocidente medieval cristão, o que nos permite, ainda que precariamente, aproximar o que se aconselhou e legislou sobre as madres e as filhas galego-portuguesas do que se preceituou e ordenou-se sobre elas em alguns reinos europeus, próximos à Península Ibérica, como Itália e França, por exemplo.
   Evidentemente, bastariam a arte poética galego-portuguesa, a despeito de sua fragmentação, e as cantigas de amigo em si mesmas para discutirmos o lugar da madre em um novo gênero, considerando que "un nuevo género es siempre la transformación de uno o de varios géneros antiguos: por inversión, por desplazamiento, por combinación"[82]. A autonomia do texto literário seria suficiente para averiguar os elementos genológicos, observar, no caso, o sujeito lírico e seu discurso e argumentar sobre o gênero que estes determinam.
   Pareceu-nos producente, entretanto, levantar e analisar os aspectos contextuais que pudessem ter propiciado o surgimento da cantiga de madre. Como se trata de personagem profundamente inserida em códigos morais da cristandade européia medieval, e como "los géneros comunican con la sociedad en la que están vigentes"[83], estudar o que se pensou sobre a mãe, nos documentos que revelam a mentalidade dos séc. XIII e XIV, e cotejar os valores, as preocupações e as atitudes que ela deveria cultivar com os das madres das cantigas é, para dizer o mínimo, esclarecedor.
 

3. A lei do gênero e o lugar da madre

   O conjunto de vinte e sete cantigas protagonizado pela madre nos remete a uma pergunta. Se considerarmos que os gêneros são uma instituição –na medida em que funcionam como "horizonte de expectativa" para os leitores e como "modelos de escritura" para os autores[84]- e se considerarmos que por meio dessa institucionalização os gêneros se comunicam com a sociedade na qual estão vigentes, uma questão se põe, inspirada em Tzvetan Todorov: mesmo admitindo que todos os gêneros provenham de atos de linguagem, como explicar que nem todos os atos de fala produzem gêneros literários? A resposta é esta: uma sociedade elege e codifica os atos que correspondem mais exatamente à sua ideologia; de modo que tanto a existência de certos gêneros em uma sociedade, como sua ausência em outra, revelam essa ideologia e permitem-nos precisá-la com maior ou menor exatidão[85]. Essa reflexão ilustra e corrobora o que Francis Cairns afirmou sobre a motivação ou origem dos gêneros, alguns anos antes do artigo de Todorov: "all the genres originate in important, recurrent, real-life situations"[86].
   Que valores e que situações permitiram que das cantigas de amigo e sua azáfama amorosa se desencadeasse um canto de guarda, de restrição ou de complacência, protagonizado pela madre? Sabe-se que o momento histórico bloqueia ou abre possibilidades de gênero aproveitadas ou não pela prática artística[87], nesse caso, pelos trovadores. Bernal de Bonaval, jogral "do centro da terra medieval de Toronho, no Sul da Galiza"[88], criou oito cantigas de amigo, dentre as quais essa cantiga de madre:

Filha fremosa, vedes que vos digo:
que non faledes ao voss’ amigo
sen mi, ai filha fremosa 

E se vós, filha, meu amor queredes,
rogo vos eu que nunca lhi faledes
sen mi, ai [filha fremosa]

E al á i de que vos non guardades:
perdedes i de quanto lhi falades
sem mi, [ai filha fremosa] (p. 368)

   A cantiga de Bernal de Bonaval é o que poderíamos considerar a "manifestação" da cantiga de madre, considerando o conceito de Paul Zumthor: "l’emergence, à l’horizon dessiné par notre documentation, de textes réductibles à un modèle jusqu’alors inexistant"[89]. Nela, o tema da guarda ("que non faledes ao voss’ amigo/ sen mi"), a preocupação materna com a sedução masculina ("perdedes i de quanto lhi falades") e a fragilidade da moça ("E al á i de que vos non guardades") aparecem inequivocamente.
   Que circunstância, então, faria Bernal de Bonaval, no período de implantação peninsular da poesia trovadoresca, entre 1220 e 1240[90], abstrair-se das "leis do gênero"[91] cantiga de amigo (voz da namorada em 1ª pessoa) e "criar" uma cantiga de madre?
   O discurso dos jurisconsultos e dos tratadistas que dedicam sua atenção às madres de todas as ordens sociais –ainda que se destaquem e prevaleçam as da aristocracia, modelo para todas as outras, como vimos assinalando–, dá o quilate de uma possível resposta[92].
   Responsáveis pela salvação cristã de si e de sua família, a mulher casada e a mãe são os meios pelos quais se acredita fazer triunfar a moral cristã. Se recatadas, discretas, prudentes e honestas, essas mulheres têm a proteção de Deus e a guarda dos homens, benefícios que as contentam, mas sobretudo satisfazem os homens que delas esperam submissão, preparo e cuidado com seus filhos e seus bens, ou seja, manutenção de sua honra.
   Os desenhos ou os alinhavos que as ordenações e os tratados elaboram, ao atentar para o percurso das mulheres na sociedade medieval, apontam os comportamentos que a madre galego-portuguesa desempenha nas cantigas. Talvez demasiadamente largos e intensamente panorâmicos, aqueles discursos recorrem ao mesmo refrão: cuidem as mães da castidade das filhas; tenham as filhas o recato das virgens; estejam ambas voltadas para o que ordena o pai, para o que ensina o padre e para o que quer o marido[93].
   Todavia, é evidente que, paralelo ao que vislumbram a lei e a norma, há o que sugere a ficção, esse estado lúdico e enigmático de uma possível e, mais propriamente, filtrada[94] realidade em que madre e filha dialogam sobre seus desejos, suas restrições, seus receios, suas angústias.
   Que ligação podemos estabelecer entre o que discursa a oficialidade de um tempo e de um lugar, como o medievo europeu e peninsular, e as vinte e sete cantigas de amigo que alteiam a madre como protagonista do discurso lírico popularizante produzido sobretudo no século XIII?
   A maternidade, mais que o matrimônio em si, parece ser o único estado ou a única função que projeta a mulher, seja aristocrata, burguesa, camponesa rica ou sem posses, para além da misoginia, das reservas e dos preconceitos do patriarcado espiritual e secular da Idade Média. É o estágio em que, descartada a idéia de ordenação religiosa, a mulher adquire status capaz de lhe garantir direitos e benefícios, desde que sua honestidade e castidade sejam comprovadas.
   Num momento como o da Reconquista –um dos aspectos do complexo contexto histórico das cantigas femininas galego-portuguesas–, as mulheres desempenham mais que o papel primordial de procriadoras. São elas o ponto a partir do qual se estabelecem as raízes das cidades conquistadas, visto que as casas e as lavouras são mantidas por elas, enquanto os homens guerreiam ou se aventuram ou ainda se ausentam para o pastoreio. Elas são um dos motivos de referência desses homens, que os torna apegados à terra antiga ou recentemente povoada pela conquista do rei.
   As madres guardam, cuidam, mantêm a casa, a criação, os bens, os filhos, a honra da família. Esse poder, porquanto seja sombreado pelo inequívoco e onipresente poder do pai, dá-lhe o fulgor de um papel: o da proteção do mais cobiçado objeto de desejo dessa sociedade masculina, a filha[95]. Seja para enriquecer-se, seja para jactanciar-se, seja para dominar, seja para prosseguir seu nome simples ou sua genealogia, seja ainda para contentar seu afeto, os homens desejam essa filha nobre, bela, burguesa, rebelde, camponesa, honesta ou amável, o que em grande parte exige dos jurisconsultos a leitura e a sabedoria para garantirem leis que limitem, contornem ou penalizem as vias e os desvios dos costumes, e requer dos moralistas a energia nos púlpitos e nos manuscritos para persuadir as mulheres do comportamento que a comunidade, cortesã, burguesa ou camponesa, espera.
   Embora sejam muitas as atividades femininas no medievo, três são as condições por que elas passam sob os olhos da lei e da doutrina: filha, esposa, mãe[96]. Na maternidade está o motivo do protagonismo da mulher na sociedade. É o que parece sublinhar o discurso que a conduz nas ordenações e que a idealiza nos  tratados moralistas.
   Entretanto, o motivo da assunção da madre como emissora das cantigas femininas talvez ultrapasse as explicações de ordem mais global dadas pelos documentos legais e pedagógicos. Numa perspectiva mais pontual e especificamente peninsular, a cantiga de madre faz parte de uma cultura cortês em plena contestação. Se estiverem corretas a análise e interpretação de José Carlos Ribeiro Miranda e de António Resende de Oliveira, a respeito da relação entre o aparecimento da cantiga de amigo e a ideologia que a propiciou, a madre ganha voz por outras razões.
   Segundo Miranda e Oliveira, uma primeira geração de trovadores (entre 1170 e 1220)[97], senhorialmente constituída e mantida, é responsável pela recepção peninsular dos modelos poético-musicais occitânicos[98]. A cantiga de amor, pouco valorizada pela alta nobreza e cantada por uma nobreza secundária de infanções e cavaleiros –dependentes de outros senhores[99]–, reflete ficcionalmente a situação desses jovens, filhos segundos, solteiros e marginalizados por suas famílias nobres, que buscavam ascensão social por meio de casamentos com filhas de nobres, o que lhes era embargado. Essa realidade é metaforizada na coita de amor: o sofrimento causado pela impossibilidade de possuir a mulher amada[100]. Ideologicamente, portanto, o cantar de amor seria a consagração da resignação desses homens diante dessa impossibilidade.
   A geração seguinte (1220-1240), que "fundou" o cantar de amigo, é formada por aquele grupo de jovens cavaleiros subalternos cansados da dificuldade de alcançar, pelo casamento, as "mulheres altamente colocadas, cujo acesso garantia a constituição de casa e a continuação ou fundação de uma linhagem, ou seja, da sobrevivência no seio das ciosamente fechadas estruturas senhoriais"[101]. Como vimos, as cantigas de amor representam a imagem resignada do homem –vassalo da "senhor" que nunca lhe diz sim ao desejo amoroso– diante dessa realidade senhorial, "constituindo um poderoso veículo de domesticação dos impulsos nem sempre facilmente controláveis dos mais jovens e menos afortunados membros da aristocracia"[102]. Contra esse modelo "domesticador" e essa resignação, segundo Ribeiro Miranda, a criação da cantiga de amigo (a histórica, aquela que está documentada na tradição manuscrita), "modelo de aproximação à mulher", subverte tanto a vassalagem amorosa como a distância da mulher no ambiente cortês. Defende ainda o autor:

Profunda contestação, pois, das várias coitas impostas ao homem, ao cavaleiro, e abertura idealizada de um espaço onde todas as dificuldades no acesso à mulher desapareciam de uma só vez. Ao homem, ao cavaleiro, é devolvida a capacidade de decisão, de aproximação da mulher, de comando de uma situação que na realidade estava longe de possuir. O sofrimento masculino esfumava-se, transportado para o lado feminino e não mais traduzindo, nesse caso, do que a ânsia de receber o amigo. As imponentes barreiras linhagísticas, que se interpunham entre cavaleiros e donzelas, transfiguravam-se agora unicamente na presença, aqui e acolá, de uma mãe adversa, que não mais conseguia do que pôr à prova a determinação da filha em lhe desobedecer [103]

   Tal linha de interpretação, publicada em 1994, é endossada em 2001, quando António Resende de Oliveira reedita o artigo "A segunda geração de trovadores galego-portugueses: temas, formas e realidades", em colaboração com José Carlos Ribeiro Miranda. Nesse texto, a cantiga de amigo se apresenta como o antídoto ideológico da cantiga de amor, consagradora da vassalagem amorosa e da resignação.

Aquilo que a realidade do seu tempo lhe (os trovadores subalternos de 1220 e 1240, período da segunda geração) negava e a ficção da vassalagem amorosa dos cantares de amor consagrava –a irremediável impossibilidade de aceder à mulher desejada– é aqui (cantiga de amigo) milagrosamente ultrapassado e subvertido, como se todas as barreiras que a sociedade senhorial colocava à sua acção se esfumassem  pelo simples dedilhar da cítola![104]

   Esse estado sociológico da Península Ibérica trovadoresca poderia explicar a razão de a madre protagonizar as cantigas que estudamos, haja vista o papel de adversária que desempenha num plano mais patentemente linhagístico. Quer-nos parecer, todavia, que não basta por si só.
   Evitando uma discussão como aquela sobre as origens da lírica trovadoresca, em que cada grupo defendia para si a tese explicativa dos inícios poéticos do Medievo –o que Rodrigues Lapa resolveu diplomaticamente, assumindo que cada uma delas responde aos vários aspectos que constituem o problema das origens–, cremos que todos esses fios que compõem a rede histórica, política e cultural européia e peninsular explicam o protagonismo da madre que, além de guardar sua filha, aceita-lhe a confidência, arranja-lhe o amigo e permite-se o viço que o namoro lhe propicia.
   E é esse complexo fio que se projeta ficticiamente nas cantigas de madre.

Notas

[1] José MATTOSO, "A mulher e a família", em Actas do Colóquio a Mulher na Sociedade Portuguesa: visão histórica e perspectivas actuais, Coimbra, Instituto de História Económica e Social, 1986, v. I, p. 43.        [ Links ]

[2] Carolina Michaëlis de VASCONCELOS (ed.), Cancioneiro da Ajuda, Lisboa, Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1990, v. II, p. 894.        [ Links ]

[3] Neste artigo, transcreveremos as cantigas da edição crítica de Rip COHEN (ed.), 500 cantigas d’amigo, Porto, Campo das Letras, 2003, p. 405. As próximas citações serão seguidas apenas do número de página.        [ Links ]

[4] Não damos ao termo celestina sua acepção mais corriqueira, a de cafetina. Joaquim de Santa Rosa de Viterbo estuda a palavra, esclarecendo pontos importantes: "Alcayote" (do árabe al qauuād, traficante de carne branca; chulo; alcoviteiro; rufião; mantenedor, do verbo qāda, dirigir, acompanhar ou entregar, acompanhando uma pessoa a outrem) é o termo de que derivam "alcoveto" –que significa "colaborador, auxiliar" ou "rufião, mantenedor"–, e "alcoviteira" – cujo significado, registrado apenas no séc. XVI, é o de "mulher que entrega mulheres e dá casa de alcouce (prostíbulo)-" (Joaquim de Santa Rosa de VITERBO, Elucidário das palavras, termos e frases que em Portugal antigamente se usavam e que regularmente se ignoram, Porto, Civilização, 1962, 2. t., t. 1, Alcayote: p. 320-321; Alcouce: p. 327.). Caldas Aulete registra o composto "madre-celestina": "(fig. pop.) feiticeira, mulher ladina, que tem lábia" (Caudas AULETE, Dicionário contemporâneo da língua portuguesa, Rio de Janeiro, Delta, [1964], v. I, p. 752.). A acepção de "colaborador" e de "mulher ladina, que tem lábia", adapta-se à perfeição à figura que estudamos.         [ Links ]         [ Links ]

[5] Jean-Marie D’HEUR, Recherches internes sur la lyrique amoureuse des troubadours galiciens-portugais (XIIe-XIVe siècles), [s.l.], 1975, tese de doutorado, Cópia datilografada, Biblioteca Nacional de Madrid, cota n. 4/186371, pp. 491-518.        [ Links ]

[6] Rip COHEN, Thirty-two cantigas d´amigo of Dom Dinis: typology of a Portuguese renunciation, 1984, Dissertation of Doctorade, University of California, p. 2.        [ Links ]

[7] Giuseppe TAVANI (ed.), Arte de trovar do Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa, Lisboa, Colibri, 1999, p. 41.        [ Links ]

[8] Jean-Marie D’HEUR (ed.), "L’Art de trouver du Chansonnier Colocci-Brancuti. Édition et analyse", Arquivos do Centro Cultural Português, IX (1975), 321-398, p. 384.        [ Links ]

[9] O número de cantigas de amigo não é consensual entre os editores e estudiosos desse gênero. Para José Joaquim Nunes, são 512; para Giuseppe Tavani, 508; para Jean-Marie D’Heur, 504; para Pilar Lorenzo Gradín, 509. Cf. o comentário desta autora sobre esses números em La canción de mujer en la lírica medieval, Santiago de Compostela, Universidade de Santiago de Compostela, 1990, p. 41, nota 115. Manuel Forcadela, em 1998, volta a somar 512 cantigas (como o fizera Nunes), em "O papel da muller na literatura das cantigas de amigo", A língua das Cantigas: Congreso da Língua Medieval Galego-Portuguesa na Rede, http://www.vieiros.com/galego.org/linguadascantigas/relatorios, p. 1. Das 513 (e não 512, se se considerar que a cantiga CXXIV se desdobraria em duas) cantigas editadas por Nunes (Cantigas de amigo dos trovadores galego-portugueses, Lisboa, Centro do Livro Brasileiro, 1973, 3 v.), 434 são cantigas de amigo (1ª pessoa: namorada); 27, cantigas de madre (1ª pessoa: mãe); 26, cantigas de confidente (1ª pessoa: amiga confidente ou irmã); 14, cantigas de narrador (3ª pessoa), e 12 são cantigas de outros gêneros (pastorela, cantiga de amor, cantiga de malmaridada, cantiga satírica).

[10] Em "O som do sentido. Sobre poesia trovadoresca", Teresa Amado chama a atenção para o sentido que a voz propiciaria às cantigas: "a voz seria aqui, teria de ser, múltipla, e essa variação acrescentaria ao sentido dos versos. Múltipla talvez, não tanto no timbre, mas no tom e, sobretudo, no estilo – as ‘lirias’ [o que a voz faz no canto]". Essa observação nos faz pensar, e inevitavelmente ficar sem resposta, em como seria a voz do trovador ao interpretar cada um dos emissores. Em Ana HATHERLY, Silvana Rodrigues  LOPES (org.), Os sentidos e o sentido: literatura e cultura portuguesas em debate. Homenageando Jacinto do Prado Coelho, Lisboa, Cosmos, 1997, p. 130.        [ Links ]

[11] Manoel Rodrigues LAPA, Das origens da poesia lírica em Portugal na Idade Média, Lisboa, Edição do Autor, 1929, p. 245.        [ Links ]

[12] Cantigas de madre cúmplices: 5; celestina: 3. Cf. SODRÉ, op. cit., p. 153.

[13] Trata-se de 10 cantigas: 4 (p. 348) de Estevan F. de Elvas; 5 (p. 146) de Airas Carpancho; 1 (p. 290) e 7 (p. 296) de Pero da Ponte; 4 (p. 330) e 7 (p. 333) de Roi Fernandez; 11 (p. 453) de Pedr’Amigo de Sevilha; 2 (p. 387) e 5 (p. 390) de João Zorro, e 3 (p. 419) de Pero Meogo.

[14] Stephen RECKERT, Helder MACEDO, Do cancioneiro de amigo, Lisboa, Assírio e Alvim, 1996, p. 110.        [ Links ]

[15] Os espelhos são obras eminentemente didáticas, em forma variável (tratado, epístola, narrativa etc.), escritas por sábio que arrola, discute e conceitua as virtudes gerais próprias de um modelo (rei ou príncipes, monges, virgens, esposas, poetas et al.) e exorta-os aos deveres políticos e administrativos, religiosos, sociais, artísticos, que lhe assegurem a competência. Cf. Ana Isabel BUESCO, Imagens do príncipe: discurso normativo e representação (1525-49), Lisboa, Cosmos, 1996, p. 32 e ss. Rigorosamente, o gênero espelho só aparece no medievo, embora muitas obras anteriores a este período se identifiquem com ele. Cf. também Einar Már JÓNSSON, Le miroir: naissance d’un genre littéraire, Paris, Belles Lettres, 1995, p. 157 e ss.        [ Links ]         [ Links ]

[16] San Isidoro de SEVILLA, Etimologías (ed. de Jose Oroz Reta y Manuel-A. Marcos Casquero), Madrid, Biblioteca de Autores Cristianos, 1993, v. I., libro IX: Acerca de las lenguas, pueblos, reinos, milicia, ciudades y parentescos, cap. 7: Sobre los matrimonios, item 13, p. 799. Ibid., cap. 7, item 30, p. 801.        [ Links ]

[17] Ibid., cap. 5: Sobre las afinidades y grados de parentesco, item 6, p. 785.

[18] Ibid., cap. 7: Sobre los matrimonios, item 30, p. 801.

[19] ALFONSO X, Las siete partidas, ed. fac-simil. da ed. salmantina de 1555, glos. por Gregorio Lopez, Madrid, Boletín Oficial del Estado, 1974, 3 v., Partida IV, título II, ley II, p. 7.        [ Links ]

[20] Ibid., título I, p. 2. As três primeiras Partidas tratam do direito eclesiástico (I), do direito político-administrativo (II) e do direito processual (III); as três últimas, do direito das obrigações e contratos (V), do direito das sucessões (VI) e do direito penal (VII). Cf. José de Azevedo FERREIRA, "Partidas (de Alfonso X)", en Giulia LANCIANI, Giuseppe TAVANI (org. e coord.), Dicionário da literatura medieval galega e portuguesa, Lisboa, Caminho, 1993, p. 511-512.        [ Links ]

[21] ALFONSO X, op. cit., prologo, p. 4. Segundo Alfonso X, o valor e a nobreza, que se atribuem ao número sete, vêm do fato de este demarcar manifestações naturais (sete planetas, sete climas) e culturais (sete artes liberais, sete anos de servidão de Jacó, sete gozos de Maria etc.).

[22] Silvana VECCHIO, "A boa esposa", em Christiane KLAPISCH-ZUBER (dir.), História das mulheres no Ocidente: Idade Média, Porto, Afrontamento, 1993, p. 167. No artigo "Mujeres cotidianas en Berceo", Maria José Gómez Sánchez-Romate comenta que "el dato principal que sobre la madre medieval recoge Berceo es el comportamiento propio de su estado: el amor filial". Medievalia, 10 (1992), 1-13, p. 7.        [ Links ]         [ Links ]

[23] Georges Duby, em "Depoimentos, testemunhos, confissões", apresenta dois textos em que mulheres casadas e viúvas declaram que mantinham relações livres, sinalizando essa possibilidade. Em KLAPISCH-ZUBER (dir.), op. cit., p. 594-595.

[24] Ao se dirigir às "molheres do trabalho", que viviam nas "aldeas e terras chaãs", Christine de Pisan lamenta que "ameude nom podees ouuir ho que a Ssancta egreja vos ensina pera vossa saluaçom se nom he ao domingo per vossos abades ou priores que teẽ cura de vossas almas". Christine de PISAN, O espelho de Cristina, Lisboa, Biblioteca Nacional, 1987, parte 3, cap. XII: Das molheres do trabalho, f. XLVII.        [ Links ]

[25] Carla CASAGRANDE, "A mulher sob custódia", em KLAPISCH-ZUBER (dir.), op. cit., p. 100.

[26] Andar de modo provocante e, por extensão, fornicar. Saverio PANUNZIO, Pero da Ponte: poesías (trad. de Ramón Mariño Paz), Vigo, Galaxia, 1992, p. 195.        [ Links ]

[27] Loc. cit. Eugenio López-Aydillo apresenta essa cantiga a propósito da educação das donzelas, em "Los cancioneros gallego-portugueses como fuentes historicas", Revue Hispanique, LVII (1923), 315-619.        [ Links ]

[28] Vicent BELTRÁN, "Tipos y temas trovadorescos, XV. Johan Soarez Coelho y el ama de don Denis", Bulletin of Hispanic Studies, LXXV (1998), 13-43, p. 31e ss.        [ Links ]

[29] Ângela CORREIA, "O outro nome da ama: uma polémica suscitada pelo trovador Joam Soares Coelho", Colóquio: Letras, 142 (1996), 51-64. Cf. o artigo de Yara Frateschi Vieira, "Carolina Michaëlis e a lírica galego-portuguesa", em que se observam as objeções à tese de Ângela Correia e de Vicent Beltrán. Línguas e Literaturas: Revista da Faculdade de Letras, XVIII (2001), 73-78, p. 76.        [ Links ]         [ Links ]

[30] Manoel Rodrigues LAPA (ed.), Cantigas d’escarnho e de maldizer dos cancioneiros medievais galego-portugueses, Lisboa, João Sá da Costa, 1995, p. 98-99.        [ Links ]

[31] Maria Asenjo Gonzalez observa que ocasionalmente o foro de Soria, por exemplo, "abunda en detallar costumbres y formas, que se conservan desde tiempos remotos, arraigadas en el vivir cotidiano", no artigo "La mujer y su medio social en el Fuero de Soria", em Las mujeres medievales y su ámbito jurídico: Actas de las III Jornadas de Investigacion Interdisciplinaria, Madrid, Seminario de Estudios de la Mujer, 1983, p. 46. Cf. também Cristina SEGURA GRAÍÑO, "Situación jurídica y realidad social de casadas y viudas en el medievo hispano (Andalucía)", em FONQUERNE, ESTEBAN (ed.), op. cit., p. 122: "Las ordenanzas responden a las necesidades concretas de una sociedad, por ello son un fiel reflejo de la vida cotidiana".        [ Links ]

[32] Livro das leis e posturas (leit. paleo. e transcr. de Maria Teresa Campos Rodrigues), Lisboa, Universidade de Lisboa, 1971, p. 37-38. Comprar e vender no mercado, assistir aos ofícios religiosos e dirigir-se às fontes em busca de água, além de jogar lixo na rua, agrupar-se depois da missa para maledicências e obstruir as ruas para falatórios são flagrantes que Maria Dolores Cabañas observou em seu artigo "La imagen de la mujer en la Baja Edad Media castellana a traves de las ordenanzas municipales de Cuenca", em Cristina SEGURA GRAIÑO (ed.), Las mujeres en las ciudades medievales: Actas de las III Jornadas de Investigación Interdisciplinaria, Madrid, Seminario de Estudios de la Mujer, 1984, p. 105. Cf. também o verbete "Cotidiano", de Françoise Piponnier, em Jacques LE GOFF, Jean-Claude SCHMITT (coord.), Dicionário temático do Ocidente medieval, Bauru, Universidade do Sagrado Coração, 2002, v. I., p. 285.        [ Links ]         [ Links ]

[33] Ordenações afonsinas (ed. fac-simil. da edição da Real Imprensa da Universidade de Coimbra de 1792), Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1984, v. V, livro V, título CXXI, item 4, p. 412. Sobre os trabalhos femininos, cf. Mercedes BORRERO FERNANDEZ, "El trabajo de la mujer en el mundo rural sevillano durante la Baja Edad Media", em Las mujeres medievais, p. 198-199.        [ Links ]         [ Links ]

[34] LAPA, Cantiga d’escarnho, p. 61-62. Graça Videira Lopes comenta sobre cantigas que revelam diversos aspectos da sátira contra as mulheres. A sátira nos cancioneiros medievais galego-portugueses, Lisboa, Estampa, 1994, p. 233-238.        [ Links ]

[35] LAPA, Cantigas d’escarnho, p. 91-92. Esther Corral Díaz comenta que, embora Lapa e Mário Martins interpretem a "perfia" ("teimosia, obstinação", NUNES, op. cit., v. III, p. 659-660) entre mãe e filho como jogo erótico, W. Pagani, editor das cantigas de Estêvão da Guarda, opta por uma leitura mais denotativa. Esther CORRAL DÍAZ, As mulleres nas cantigas medievais, A Coruña, Castro, 1999, p. 200, nota 70.        [ Links ]

[36] Paulette L’HERMITE-LECLERCQ, "A ordem feudal (séculos XI-XII)", em KLAPISCH-ZUBER (dir.), op. cit., p. 273-329. Distingue a autora: "A mulher do camponês sem terra –se ele se puder casar– não tem grande semelhança com a de um dos ricos camponeses, a quem se chamará mais tarde caciques, que dirige criadas e criados", p. 305.

[37] "Ignora-se quase tudo sobre os laços afetivos que se estabelecem no conjunto da família, porquanto o vilão e a vilã nunca aparecem em pessoa. Na literatura, são desfigurados: condimento de selvageria quase animal no mundo dos bem nascidos, constituem uma sub-humanidade tão anónima como a serva na história de Inês de Saleby. Desta época não sabemos praticamente nada do que poderiam ser, na vida da aldeia e nas estruturas comunitárias, as tarefas colectivas, as festas, o lugar das mulheres", ibid., p. 307.

[38] José MATTOSO, "A mulher e a família", em Actas do Colóquio a Mulher na Sociedade Portuguesa: visão histórica e perspectivas actuais, Coimbra, Instituto de História Económica e Social, 1986, v. I, p. 35.        [ Links ]

[39] Em 1997, chega-se à mesma conclusão de Mattoso. Ana Rodrigues de OLIVEIRA, As representações da mulher na cronística medieval portuguesa (sécs. XII a XIV), Patrimonia, Cascais, 2000, p. 12. A tese de doutorado foi defendida em 1997 e publicada em 2000.        [ Links ]

[40] MATTOSO, "A mulher e a família", p. 43.

[41] Cf. WIRTH, op. cit., p. 71.

[42] "Una vecchietta ora s’avanza,/ con le sue mille rughe, alla danza:/ ‘Figliola, badami la casa, addio!/ Oggi mi sento piena di brio’", em La Lirica del Minnesang, Testi, profili e versioni de Francesco Politi, Bari, Laterza, 1948, p. 201 e ss.        [ Links ]

[43] Margaret Wade LABARGE, La mujer en la Edad Media, Madrid, Nerea, 1996.        [ Links ]

[44] Heath DILLARD, La mujer en la Reconquista, Madrid, Nerea, 1993.        [ Links ]

[45] MICHAËLIS, op. cit., v. I, p. 31.

[46] Cf. António Resende de OLIVEIRA, O trovador galego-português e o seu mundo, Lisboa, Notícias, 2001, p. 110.        [ Links ]

[47] Linda M. PATERSON, The world of the troubadours: Medieval Occitan society, c.1100-c.1300, Cambridge, Cambridge University, 1995, p. 134.        [ Links ]

[48] A. H. de Oliveira MARQUES, História de Portugal, Lisboa, Palas, 1985, v. I, p. 99-100.        [ Links ]

[49] Ibid., p. 139. Oliveira Marques explica ainda que "artesãos" significa "barbeiros, ferreiros, alfaiates, sapateiros, pedreiros, carpinteiros, oleiros, padeiros, almocreves, carniceiros, pescadores e outros semelhantes", p. 169.

[50] OLIVEIRA, As representações da mulher, p. 133.

[51] Ibid., p. 42-43. Cf. o capítulo "Nas margens do mundo cortesão", p. 307 e ss.

[52] Cf. o capítulo "Espaços e momentos", ibid., p. 89 e ss.

[53] Ibid., p. 144.

[54] Cf. as observações de Petra Wirth a propósito da imagem das mulheres nas leis castelhanas medievais, nomeadamente Fuero juzgo, Fuero real, além das Partidas, op. cit., esp. p. 67 e ss.

[55] Conquanto pareça avançado esse século para o estudo que pretende enfocar sobretudo os séculos XII e XIII, deve-se lembrar que as leis que fazem parte das recolhas dos reinos de Dom Duarte e de Dom Afonso V remontam a reinos como o de D. Afonso Henriques, como a lei promulgada junto com seu filho D. Sancho, "Carta de Foro aos Mouros forros da Cidade de Lixboa, e das Villas d’Almadaa, e de Palmella, e de Alcacer", em março de 1208, em Coimbra, Ordenações afonsinas, v. II, livro II, título LXXXXVIIII, p. 529-530.

[56] Cristina Segura Graíño afirma que "las leyes no se dictan para todas, sino únicamente para las mujeres que tienen honra. No debe olvidarse que existe un grupo muy numeroso de mujeres no honradas, las prostitutas, mancebas, etc. que no gozan de los beneficios y protección que la ley proporciona. No existen para la ley". "Situación jurídica", p. 122.

[57] Essa espécie de bordão aparece no Livro das leis e posturas, assim como nas outras ordenações portuguesas, com pouca freqüência, op. cit., p. 200.

[58] Ordenações del-rei Dom Duarte (ed. de Martim de Albuquerque e Eduardo Borges Nunes), Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1988, Capitolo bij [VI], p. 126.

[59] Ibid., Cotituçam Cxxbij [CXXVII], p. 113; Livro de leis e posturas, p. 212.

[60] Ordenações afonsinas, livro IV, ttulo CIII, p. 373. As condições para "barooẽns ou molheres" testemunharem são: ser livre, maiores de catorze anos (ibid., livro IV, título CIII, items 1 e 5, p. 373-374 e p. 375).

[61] Livro das leis e posturas, p. 37-38. Nas Ordenações del-rei Dom Duarte, as mulheres poderão ser testemunhas nos "cassamentos, E de esposoiros E de enfiamentos E de conpadradigos E de bautismos E d’eresia" -capitolo xbij (XVII), p. 134-. Cf. também a p. 149.

[62] Ordenações afonsinas, livro IV, título XV, item 1, p. 84-85 -lei da época de D. Afonso IV-.

[63] Ibid., livro IV, título LXXXVI, item 2, p. 318 -trata-se de lei imperial-.

[64] Cf. José Manuel NIETO SORIA, "La mujer en el Libro de los fueros de Castiella: aproximaciones a la condición sociojurídica de la mujer en Castilla en los siglos XI al XIII", em SEGURA GRAIÑO (ed.), Mujeres, p. 75-86.        [ Links ]

[65] Manuel Paulo MERÊA, Resumo das lições de história do direito português, Coimbra, Coimbra Ed., 1925, p. 75.        [ Links ]

[66] María del Carmen PALLARES MÉNDEZ, "Las mujeres en la sociedad gallega bajomedieval", em PASTOR (ed.), op. cit., p. 358-359. Cf. ASENJO GONZALEZ, Fuero de Soria, p. 48 e María Isabel Perez de TUDELA Y VELASCO, "La mujer castellano-leonesa del Pleno Medievo. Perfiles literarios, estatuto jurídico y situacion economica", em Las mujeres medievales, p. 77, que considera favorável a situação econômica da mulher de Castela e Leão, no conjunto, em contraste com a situação feminina medieva, de um modo geral lamentável.

[67] CASAGRANDE, op. cit., p. 114.

[68] ROMANO, op. cit., f. ii.

[69] Ibid., f. lxxxij.

[70] Loc. cit. Mais adiante, Egídio Romano justifica a razão da castidade das mulheres: "que ſean caſtas no ſola mente por guardar la fe q deuen a ſus maridos, mas aun por guardar el derecho a ſus fijos", f. xcv.

[71] Ibid., f. lxxxvij.

[72] Ibid., f. xc.

[73] Ibid., f. cxij.

[74] Ibid., f. cxl.

[75] Ibid., f. xcviiij-c.

[76] Ibid., f. c. Enrique Finke leu as observações de Romano como algo extremamente acre. Enrique FINKE,  La mujer en la Edad Media, Madrid, Revista de Ocidente, 1926, p. 124. Parece-nos, entretanto, que com acritude o frei se dirige a todos que se comportam viciosamente. Há várias passagens em que louva aquelas mulheres que superam suas inclinações maliciosas.

[77] ROMANO, op. cit., cap. Xx, f. cxxij e ss.

[78] É difícil, por exemplo, estabelecer a que reinado pertencem certas leis, na medida em que muitas estão erroneamente referidas, devido a duas razões: 1. à inexatidão da reprodução dos textos pelos compiladores; 2. ao fato de que estes com freqüência "atribuíram a um monarca leis pertencentes a outros". Mário Júlio de Almeida COSTA, "Ordenações" (Ordenações afonsinas), em Joel SERRÃO (dir.), Dicionário de história de Portugal, Porto, Figueirinhas, 1981, v. IV, p. 444.        [ Links ]

[79] Giovanne Battista FESTA, Un galateo femminile italiano del Trecento (Il reggimento e costumi di donna de Francesco da Barberino), Bari, Laterza, 1910 -respectivamente, p. 46, 49 e 50-.        [ Links ]

[80] Ibid., p. 104. (Grifos acrescentados). Talvez ilustre a proximidade da relação entre mulheres ricas e pobres o episódio da cantiga que Eugenio López-Aydillo atribui, cremos que equivocadamente, a Estêvão Coelho (C.V. 321): "En Toled’a un costume/ que foi de longa sazon,/ que quando y casar queren/ as donas que pobres son,/ peden aas ricas donas/ de suas doas enton,/ que possan en suas uodas/ mais ricas apparecer" -Cancioneros, p. 493-.

[81] Na Crónica de D. João I, Fernão Lopes comenta o caráter estrategista da "aleivosa" Dona Leonor Teles e noticia que, não obstante a conduta reprovável da rainha, "des que ella rreinou, apremderom as molheres teer novos geitos com seus maridos, e as mostramças dhuũa cousa por outra mais perfeitamente do que sse acha nos amçiaãos tempos, que outra Rainha de Portugal fezesse" (Barcelos, Civilização, 1991, v. I, cap. XV: "Que maneira tiinha a rainha Dona Lionor com ho Meestre e com alguũs outros a que nom tiinha boom desejo", p. 36). Isso significa que, positiva ou negativamente, as nobres influíam no comportamento das mulheres. Estas poderiam acatar ou rejeitar o modelo, mas, ainda assim, teriam como espelho as aristocratas.

[82] Tzvetan TODOROV, "El origen de los géneros", em Miguel A. GARRIDO GALLARDO (comp.), Teoría de los géneros literarios, Madrid, Arco, 1988, pp. 31-48, p. 34. O artigo foi publicado inicialmente em 1976.        [ Links ]

[83] Ibid., p. 38. Cf. ainda Eugenio BOLONGARO, "From literariness to genre: establishing the foundations for a theory of literary genres", Genre, XXV (1992), 277-313, p. 305: "genres are anchored in historical processes and in the socio-economic interests that constitute them. However, given that their field of operation is literature, and that this field is governed by processes of institutionalization (e. g., the literary tradition) that are autonomous (though not independent) of socio-economic exigencies, these latter emerge in the development of genres only through a very complex set of mediations".        [ Links ]

[84] TODOROV, op. cit., p. 38.

[85] Ibid., p. 38-39.

[86] Francis CAIRNS, Generic composition in Greek and Roman poetry, Edinburgh, Edinburgh University, 1972, p. 70.        [ Links ]

[87] Fredric JAMESON, O inconsciente político: a narrativa como ato socialmente simbólico, São Paulo, Ática, 1992, p. 147.        [ Links ]

[88] OLIVEIRA, O trovador galego-português, p. 188.

[89] Paul ZUMTHOR, Essai de poétique médiévale, Paris, Seuil, 1972, p. 58.        [ Links ]

[90] OLIVEIRA, O trovador galego-português, p. 158. Esse autor considera esse período como aquele em que a produção trovadoresca se desloca para o Ocidente peninsular e os cantares galego-portugueses começam a se afirmar em sua geografia lingüística própria. Neste período ainda se inicia a "construção do novo cenário amoroso presente na cantiga de amigo", p. 176-177.

[91] Expressão usada por Edmond Faral, em "Les chansons de toile ou chansons d’histoire", Romania, LXIX (1946-1947), 433-462, p. 448.        [ Links ]

[92] Por se tratar de uma hipótese sem chance de documentação até o momento, deixamos de lado a idéia de matriarcado na Galiza, para explicar a importância da mãe nas cantigas de amigo, como o fez Petra Sofie WIRTH, op. cit., p. 89-90.

[93] Georges Duby afirma que padres e guerreiros, no séc. XII francês, "esperavam da dama que, depois de ter sido filha dócil, esposa clemente, mãe fecunda, ela fornecesse em sua velhice, pelo fervor de sua piedade e pelo rigor de suas renúncias, algum bafio de santidade à casa que a acolhera" -Damas do século XII: a lembrança das ancestrais, São Paulo, Companhia das Letras, 1997, p. 155-.        [ Links ]

[94] Vale lembrar que se trata de um produto cultural masculino e cortesão, afastado duplamente, portanto, do universo feminino provavelmente vilão, popular. Todavia, Rip Cohen assinala bem que "apesar das atribuições e do papel dos homens como compositores, executantes e escribas, estes não podem ser donos de uma tradição poética que foi passando de mães para filhos durante séculos. Alguns desses filhos presumivelmente foram estes autores" -op. cit., p. 53-.

[95] Informa Georges Duby a esse respeito: "De fato, as mulheres se fazem muito mais presentes na metade do século XII no relato dos narradores encarregados de divertir a corte de Henrique Plantageneta. Estes sugerem, como seus predecessores, que o destino delas é serem tomadas, objetos sempre do desejo masculino. Mas eles repetem que esse desejo deve ser doravante dominado. Não mais rapto, a sedução. As mulheres entram no jogo do amor" -Damas, p. 58-.

[96] Para a Igreja, a classificação tripartida dada aos homens por meio de suas ações (orar, combater e trabalhar) é atribuída às mulheres por meio do grau de sua pureza sexual: virgindade, viuvez e conjugabilidade -DUBY, Damas,p. 147-.

[97] OLIVEIRA, O trovador galego-português, p. 175-176.

[98] Ibid., p. 24 e ss.

[99] Ibid., p. 26-27.

[100] Ibid., p. 34.

[101] José Carlos Ribeiro MIRANDA, Calheiros, Sandim e Bonaval: uma rapsódia de amigo, Porto, [s. ed.], 1994, p. 16.        [ Links ]

[102] Ibid., p. 17.

[103] Loc. cit.

[104] OLIVEIRA, O trovador galego-português, p. 109.