SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número2Buenas prácticas de aplicación en cultivos planos extensivos: Distancias a zonas urbanas. Criterios y solucionesAdenda índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Articulo

Indicadores

  • No hay articulos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • En proceso de indezaciónCitado por Google
  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO
  • En proceso de indezaciónSimilares en Google

Bookmark


Acta toxicológica argentina

versión On-line ISSN 1851-3743

Acta toxicol. argent. vol.18 no.2 Ciudad Autónoma de Buenos Aires jul./dic. 2010

 

ARTÍCULOS ORIGINALES

Determinaçao de metais classificados como de importância toxicológica no molusco bivalve Anadara notabilis (Röding, 1798). Encontrado em Galinhos, Rio grande do norte, Brasil

Urbano de Araújo, Marcos A. * ; Vitória de Moura, Maria F.; Borges de Carvalho, Genickson.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Laboratório de Química Analítica Aplicada, Departamento de Química, CEP: 59078-970, Natal RN, Brasil.

*Autor responsável: marcosaraujonet@yahoo.com.br

Recibido: 22 de octubre de 2010
Aceptado: 4 de diciembre de 2010

Resumo: Os moluscos bivalves são consumidos por todo o mundo, constituindo-se em um recurso natural de boa aceitação pela população. Foi escolhido o molusco Anadara notabilis (conhecido como Xibiu ou Búzio) para este trabalho pelo seu tamanho característico, bem maior que os mariscos mais comuns, e também por não ter sido encontrado na literatura nenhuma informação toxicológica sobre esta classe de moluscos. Todos os íons metálicos foram determinados por espectroscopia de emissão ótica com plasma indutivamente acoplado (ICP-OES) descrito pela metodologia U.S. EPA 6010C. Os resultados mostraram que estiveram presentes no molusco vários metais de caráter tóxico, porém apenas o cromo obteve valor acima do permitido pela legislação brasileira. Dentre os metais classificados como tóxicos o cobre que apresentou valor de 5,7 mg/Kg, o níquel que apresentou teor de 4,23 mg/Kg e o cromo, o único acima dos valores permitidos pela legislação brasileira, com teor de 1,7 mg/Kg, sempre considerando a amostra in natura. Como os moluscos têm a propriedade de acumular metais em seu organismo, para o consumo desse tipo de alimento, deve-se tomar cuidado com as áreas próximas de sua coleta ou se cultivado, é necessário prevenir fatores que influenciem em sua contaminação.

Palavras chave: Moluscos; Anadara notabilis; Metais; Espectroscopia de emissão ótica com plasma indutivamente acoplado.

Abstract: Determination of metals of toxicological importance in the bivalve Anadara notabilis (Röding, 1798) of Galinhos, coast of Rio grande do norte, Brazil. Bivalve molluscs are consumed throughout the world, constituting a natural resource with good acceptance by the population. The mollusc Anadara notabilis (know as eared ark) was chosen for this study due to its characteristic size, much larger than most common shellfish, and the lack of toxicological information found in literature for this class of mollusks when considering metal ions toxicity. Metal ions were measured by inductively coupled plasma optical emission spectroscopy (ICP-OES), method described by U.S. EPA 6010C. Results showed that several toxic metals were present in shellfish, however only chrome was measured in levels higher than those allowed by Brazilian legislation. Among those classified as toxic metals, copper showed a value of 5.7 mg / kg, nickel of 4.23 mg / kg and chromium of 1.7 mg / kg, when considering whole shellfish samples. As molluscs are able to accumulate metals in their body, for its consumption care should be taken regarding the areas in close proximity to their collection or cultivation, including prevention of factors that influence contamination.

Keywords: Molluscs; Anadara notabilis; Metals; Optical emission spectroscopy inductively coupled plasma.

INTRODUÇÃO

Os ambientes marinhos e costeiros do Brasil sofrem constantemente vários processos de degradação ambiental, gerado pela crescente busca por recursos naturais marinhos e pela capacidade limitada desses ecossistemas absorverem tais tipos de impactos. A alteração ou destruição de habitats, como alterações na sedimentação causada pela poluição industrial, por exemplo, constitui nos maiores impactos ambientais nas zonas costeiras brasileira, especialmente em regiões próximas aos grandes centros. Inúmeras baías e estuários estão sofrendo com a poluição oriunda da exploração de recursos minerais, comprometendo assim os habitats marinhos. (Marins et al. 2004).
Os moluscos bivalves s ão seres invertebrados, filtradores e com ampla distribuição ao longo de praias e de estuários. Através da filtragem da água que passa pelo local onde vivem, esses animais retém pequenas partículas e microorganismos que lhes servem de alimento. O lançamento de resíduos ou dejetos em rios ou mares, mesmo em quantidades reduzidas, pode causar uma lenta acumulação de íons metálicos nesses seres e uma consequente biomagnificação. (Carvalho 2006).
O g ênero Anadara é encontrado ao redor do mundo em diversas espécies como Anadara granosa, Anadara senílis, Anadara antiquata, Anadara trapézia e Anadara notabilis. Essas espécies são encontradas na Ásia, África, Oceania e América do Sul. Essa classe de moluscos é destacada pelo seu tamanho, medindo em média 10 cm quando se trata de um indivíduo adulto, sendo bem maior que os moluscos encontrados em varias regiões, por exemplo, a Anomalocardia brasiliana e os mexilhões que medem aproximadamente 3 a 4 cm. No Brasil, particularmente em Galinhos, município do Rio Grande do Norte, é encontrado uma população de Anadaras notabilis. (Dam et al. 1993, 1994). Esse molusco, além de consumido, tem sua carapaça utilizada por artesões na costa Potiguar, sugerindo uma forma de despertar interesse pelo manejo sustentável dessa espécie, o que torna seu emprego nesta região uma fonte de renda.
Al ém do seu grande valor nutricional, os moluscos bivalves também são utilizados como monitores biológicos. As ostras, mexilhões e outros bivalves têm sido utilizados com sucesso como bioindicadores da presença de contaminantes, incluindo os metais traços, em ambientes aquáticos (Chagas-Spinelli et al. 2006).
Os moluscos bivalves tamb ém são amplamente usados na avaliação de íons metálicos em ambiente aquáticos, por fornecerem informações exatas e integradas sobre o impacto ambiental e biodisponibilidade de tais elementos (Guimarães & Sígolo 2008).
A determina ção de baixas concentrações de metais e metalóides requer uma utilização de técnicas suficientemente sensíveis e versáteis. A fim de satisfazer essas necessidades, a espectroscopia de emissão óptica com plasma indutivamente acoplado (ICP-OES) pode ser utilizada, por apresentar boa sensibilidade, fazer medições precisas e exatas, proporcionando baixos limites de detecção. Essas características são essenciais para obtenção de resultados satisfatórios em determinações analíticas (Petry 2005 & Skoog 2005).
O objetivo deste trabalho é caracterizar o molusco A. notabilis, a respeito dos metais de caráter toxicológico e comparar os teores apresentados com os valores permitidos pela legislação.

METODOLOGIA

Os métodos utilizados nesta pesquisa seguem os métodos oficiais realizados de acordo com as Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz (Instituto Adolfo Lutz 2005).

Preparo das amostras:
As amostras foram coletadas por uma equipe de biólogos, acondicionados em sacos plásticos e colocadas dentro de um recipiente térmico de isopor, coberto com gelo para manter a integralidade das amostras.
No laboratório, foi feita a limpeza parcial de cada amostra com água destilada, retirando os organismos e sujeiras, (areia, folhagens, etc.), que ficaram aderidos à superfície da carapaça das amostras e que poderiam interferir nos resultados das análises. Após essa limpeza, os espécimes foram medidos e pesados um a um para o conhecimento das dimensões e peso, Tabela 1, em seguida foram abertos para retirada do seu tecido mole que constitui a amostra propriamente dita.

Tabela 1. Medidas de tamanho e peso médio dos espécimes de A. notabilis.

Após a retirada do tecido mole das amostras, elas seguiram em alíquotas de 10,0 g para estufa a fim de retirar toda sua umidade. Esse procedimento foi realizado utilizando uma estufa de ventilação forçada de ar modelo QUIMIS/ Q-314M243, em que a amostra passou cerca de 12 horas sob temperatura controlada a 105 ºC. Foi realizado a cada 3 horas at é a obtenção de peso constante, o que garante toda perda da umidade. Após essa desumidificação, as amostras foram trituradas. Após a trituração foram pesadas três alíquotas de 5,0 g e transferidas para cadinhos de porcelana. Em seguida foram incineradas no bico de Bunsen. Após esse procedimento, levou-se a um forno tipo mufla modelo EDG3P-S a 550ºC para o processo de calcinação. Decorrido 4 horas do processo as cinzas obtidas através da calcinação foram dissolvidas em HNO3 (10%) e filtradas para balões volumétricos de 50 mL, feito isto às soluções foram guardadas em frascos de plástico e rotuladas para leitura.

Medidas através do ICP-OES:
As soluções foram levadas para a leitura de metais por espectroscopia de emissão ótica com plasma indutivamente acoplado (ICPOES), através do equipamento modelo iCAP 6300 Duo da Thermo, para obtenção dos teores de íons metálicos em estudo. A Tabela 2 mostra as condições de operação do equipamento.

Tabela 2. Condições de operação do ICP-OES.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Mundialmente existem organizações para controlar alguns alimentos quanto à presença de contaminantes inorgânicos, metais ou não metais dentre essas podemos citar a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e como nacional a Associação Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA (ANVISA 1998).
A Portaria n°. 685/98 de 27 de agosto de 1998 do Ministério da Saúde, publicado no Diário Oficial da União em 28/08/98 aprova o Regulamento Técnico: "Princípios Gerais para o Estabelecimento de Níveis Máximos de Contaminantes Químicos em Alimentos" e seu anexo: "Limites máximos de tolerância para contaminantes inorgânicos" complementa e fazem algumas modificações no Decreto Lei n° 55.871 de 26 de março de 1965 (ANVISA 1998), porém este Decreto não faz referência a todos os metais de caráter toxicológico, o que impossibilita uma comparação total com os resultados obtidos.
Os metais classificados como de importância toxicológica presentes na A. notabilis foram determinados por espectroscopia de emissão ótica com plasma indutivamente acoplado (ICP-OES), a Tabela 3 apresenta esses resultados referentes às médias das análises feitas em triplicata para as duas coletas.

Tabela 3. Teores dos metais classificados como de importância toxicológica apresentados no molusco A. notabilis. Média para as duas coletas feitas em triplicata em mg/Kg ( ) desvio padrão, LM - limite máximo, AIN - amostra in natura, AS - amostra seca. * Não existe limites para estes metais de acordo com a ANVISA.

O teor de alumínio foi de 30,88 mg/Kg para amostra in natura e 148,4 mg/Kg considerando a amostra seca. O teor de bário foi de 0,151 mg/Kg para amostra in natura e 0,731 mg/Kg considerando a amostra seca. O teor de boro foi de 3,810 mg/Kg para amostra in natura e 18,31 mg/Kg considerando a amostra seca. O teor de cádmio foi de 0,502 mg/Kg para amostra in natura e 2,395 mg/Kg considerando a amostra seca. O teor de chumbo foi de 0,200 mg/Kg para amostra in natura e 0,943 mg/Kg considerando a amostra seca. O teor de cobre foi de 5,711 mg/Kg para amostra in natura e 27,45 mg/Kg considerando a amostra seca. O teor de cromo foi de 0,170 mg/Kg para amostra in natura e 0,813 mg/Kg considerando a amostra seca. O teor de estrôncio foi de 4,142 mg/Kg para amostra in natura e 19,91 mg/Kg considerando a amostra seca. O teor de lítio foi de 2,733 mg/Kg para amostra in natura e 13,13 mg/Kg considerando a amostra seca. O teor de manganês foi de 1,520 mg/Kg para amostra in natura e 7,310 mg/Kg considerando a amostra seca. O teor de molibdênio foi de 0,080 mg/Kg para amostra in natura e 0,400 mg/Kg considerando a amostra seca.
O teor de níquel foi de 4,231 mg/Kg para amostra in natura e 20,33 mg/Kg considerando a amostra seca. O teor de titânio foi de 0,311 mg/Kg para amostra in natura e 1,475 mg/Kg considerando a amostra seca. O teor de vanádio foi de 0,062 mg/Kg para amostra in natura e 0,300 mg/Kg considerando a amostra seca.
O teor de zinco foi de 12,31 mg/Kg para amostra in natura e 59,16 mg/Kg considerando a amostra seca. Não foi encontrada na literatura nenhuma informação sobre metais de interesse toxicológicos no molusco em estudo, então se comparou os resultados obtidos com os valores determinados por Queiroz de Brito (2010), que analisou alumínio em moluscos Mytella falcata na Cidade de Galinhos RN, e obteve um teor de 68 mg/Kg em relação a amostra in natura, sendo mais que o dobro do valor encontrado para A. notabilis, este alto valor pode ser explicado pela idade dos moluscos coletados por Queiroz de Brito terem idade mais adulta quando comparado com as A. notabilis.
Emereciano et al. (2009) determinaram metais no molusco Anomalocardia brasiliana encontrada no Rio Potengi, Natal/RN, e obteve os seguintes teores para os metais: chumbo 1,0 mg/Kg considerando a amostra in natura, cerca de cinco vezes mais que os determinados em nossa análise, esse alto valor deve ao fato do Rio Potengi ser alvo de contaminação por metais. Com relação ao o cobre o teor presente na A. brasiliana foi de 1,7 mg/Kg o teor presente na A. notabilis ficou bem acima desse valor. Um fator que pode explicar esse alto valor para o cobre é a carcinicultura que existe próximo a área de coleta das nossas amostras. Lacerda et al. (2009) mostram que áreas próximas ao cultivo de camarão são enriquecidas de cobre liberado pelo manejo dos viveiros. Chen (2001) destaca a toxidade do sulfato de cobre presente na ração administrada durante a alimentação dos viveiros de camarão. O cromo presente na A. brasiliana apresentou teor de 0,5 mg/Kg bem acima do valor encontrado na A. notabilis. Já o níquel presente na A. brasiliana teve teor de 0,7 mg/Kg, o teor encontrado em nossa amostra foi bem maior, uma hipótese para este valor pode ser explicado pela indústria petrolífera que existe na próximo a área de coleta, esse problema também foi relacionado por Furtado (2007). Segundo Cardoso Cavaco e Bodstein de Barros (2005) as águas de produção provenientes da exploração de petróleo, contém quantidades variadas de sais e gases dissolvidos, bem como partículas sólidas e até gotículas de óleo suspensas ou emulsificadas na água. Além disso, a água ainda apresenta um aumento no teor de metais, dentre eles o níquel.
O teor de zinco apresentado na A. brasiliana ficou bem abaixo do valor encontrado em nossas amostras cerca de 1,7 mg/Kg. Apesar de ser considerado como micronutrientes os metais Cu, Cr, Mn, Mo, Ni, V e Zn, podem se apresentar como agentes contaminantes dependendo dos níveis de concentração, por isso estes metais estão incluídos em metais de interesse toxicológicos. Somente o Cr, de acordo com o Decreto nº 55871 apresentou-se um pouco acima do valor permitido. De acordo com GOMES et al. (2005) o Cr3+ não é a forma mais tóxica encontrada, porém esta forma é tóxica ao organismo quando ingerida em dosagens extremamente elevadas. Contudo, os graves problemas relacionados à intoxicação com cromo se referem ao Cr6+, que, normalmente, é inalado em ambientes industriais e pode causar ulceração do septo nasal, inflamação da mucosa nasal, bronquite crônica e enfisema. Para alguns metais, o decreto não estabelece valores limites.

CONCLUSÃO
Neste trabalho foram determinados os teores de metais de interesse toxicológico: Al, Ba, B, Cd, Cr, Cu, Mn, Mo, Ni, Pb, Sr, Li, V, Ti e Zn presente molusco Anadara notabilis. A determinação desses teores é muito importante para segurança dos consumidores desse tipo de alimento, principalmente para as comunidades litorâneas que utilizam essas espécies em sua dieta, como também no controle de qualidade, considerando o interesse tecnológico do processamento para fins diversos (farinha, rações), fornecendo assim informações toxicológicas necessárias para uma segurança do produto. Com relação aos metais classificados como de importância toxicológica, o cromo apresentou um teor um pouco acima do permitido. Para os demais metais analisados nenhum outro esteve acima dos valores tolerados considerando a legislação local para amostra in natura.
Este trabalho ressalta que para a criação e ou consumo de espécies como as aqui estudadas é imprescindível uma caracterização do local para verificar a influência de alguns fatores que possam causar a contaminação dos mesmos, tendo em vista as espécies acumularem íons metálicos durante a vida.

Bibliografia citada

1. ANVISA. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria Nº 685, de 27 de agosto de 1998. [Acesso em 05 maio 2010]. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/legis/portarias/685_98.htm>         [ Links ].

2. Cardoso Cavaco P.C., Bodstein de Barros, A. Gestão de efluentes e recursos hídricos em campos de produção de petróleo terrestres. [em linea] In: II Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, SEGeT, 2005, São PauloSP. [Acesso em 24 dez. 2009]. Disponível em: http://www.aedb.br/seget/artigos05/ 378_GESTAO%20DE%20EFLUENTES %20P%20Cavaco.pdf.         [ Links ]

3. Carvalho R.M. Determinação de íons metálicos em moluscos bivalves do manguezal da região petrolífera de São Francisco do Conde Recôncavo Baiano, Campinas. 181 f. Tese (Doutorado em Química). Instituto de Química, Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil. 2006.         [ Links ]

4. Chagas-Spinelli A.C., Costa M.F., Lima E.S. Avaliação de métodos de métodos de preservação de tecidos moles de moluscos bivalves para análise geoquímica e uso como bioindicadores de contaminação ambiental: Caso do estuário de Barra de Jangadas, nordeste do Brasil. Estudos Geológicos. 2006;16 (2):67-82.         [ Links ]

5. Chen J., Lin C. Toxicity of copper sulfate for survival, growth, molting and feeding of juveniles of the tiger shrimp Penaeus monodon. Aquaculture. 2001;192(1):55-65.         [ Links ]

6. Dam T.K., Bandyopadhyay P., Sarkar M., Ghosal J., Bhattacharya A., Choudhury A. Purification and partial characterization of a heparin- binding lectin from the marine clam Anadara granosa. Biochemical and Biophysical Res Commun. 1994;203(1):36-45.         [ Links ]

7. Dam T.K., Sarkar M., Ghosal J., Choudhury A. Purification and partial characterization of a N-glycolylneuraminic acid specific lectin from the clam Anadara granosa (L). Biochem Biophys Res Commun. 1993;196(1):422-9.         [ Links ]

8. Emereciano D.P., Silva H.F., Carvalho G.C., Cruz A.M. F., Da Moura M. Análise da ocorrência de metais: bário, cádmio, chumbo, cobre, cromo, estanho, níquel e zinco, em mexilhão (Anomalocardia brasiliana) coletados no Estuário Potengi/Jundiaí, RN. Publica. 2009;4(2).         [ Links ]

9. Furtado J.G.C. Estudo de impactos ambientais causados por metais pesados em água do mar na Baía de São Marcos: Correlações e níveis. 74f. Dissertação (mestrado em química). Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Brasil; 2007.         [ Links ]

10. Gomes M.R., Rogero M.M., Tirapgui J. Considerações sobre cromo, insulina e exercício físico. Rev Brás Méd Esporte. 2005;11(5).         [ Links ]

11. Guimaráes V., Sígolo J.G. Detecção de contaminantes em espécie bioindicadora (Corbicula fluminea): Rio Ribeira de Iguape, SP. Química nova. 2008;31(7):1696-1698.         [ Links ]

12. Instituto Adolfo L.. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz: Métodos Químicos e Físicos para análise de alimentos. 4ta. Ed. São Paulo, Brasil. 2005.         [ Links ]

13. Lacerda L.D., Santos J.A., Lopes D.V. Fate of copper in intensive shrimp farms: bioaccumulation and deposition in pond sediments.. Braz J Biol. 2009;3(69):851-858.         [ Links ]

14. Marins R.V., Paula Filho F.J. de, Maia S.R.R. Distribuição de mercúrio total como indicador de poluição urbana e industrial na costa brasileira. Química Nova. 2004;27(5):763-770.         [ Links ]

15. Petry C.F. Determinação de elementos traços em amostras ambientais por ICP/OES. 90 f. Dissertação (Mestrado em Química). Instituto de Química, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRS, Porto Alegre, RS, Brasil; 2005.         [ Links ]

16. Queiroz De Brito G. Espectrometria de emissão óptica com plasma indutivamente acoplado aliada a quimiometria na determinação de íons metálicos no molusco Mytella falcata para discriminação de estuários potiguares. 167 f. Tese (Doutorado em Química). Programa de Pós-Graduação em Química, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil. 2010.         [ Links ]

17. Skoog D. Fundamentos de química analítica. 8ª Ed. São Paulo, Brasil. Ed. Thomson Paraninfo. 2005.         [ Links ]