SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Referências do Artigo

ONOCKO CAMPOS, Rosana et al. Salud Colectiva y Psicoanálisis: entrecruzando conceptos en busca de políticas públicas potentes. Salud colectiva [online]. 2008, vol.4, n.2, pp. 173-185. ISSN 1851-8265.

    1. Doria Medina Eguía R. Grandes psicoanalistas argentinos. Buenos Aires: Grupo Editorial Lumen; 2001. [ Links ]

    2. Campos GWS. Um método para análise e cogestão de coletivos. San Pablo: Hucitec; 2000. [ Links ]

    3. Castoriadis C. A instituição imaginária da sociedade. Río de Janeiro: Paz e Terra; 1986. 418 p. [ Links ]

    4. Lacan J. Seminario 3: Las Psicosis (1955-1956). Buenos Aires: Paidós; 1988. [ Links ]

    5. Ulloa F. Novela Clínica Psicoanalítica. Historial de una práctica. Buenos Aires: Paidós; 1995. [ Links ]

    6. Costa MCO, Carvalho RC, Santa Bárbara JFR, et al. O perfil da violência contra crianças e adolescentes, segundo registros de Conselhos Tutelares: vítimas, agressores e manifestações de violência. Ciência & Saúde Coletiva. 2007;12(5):1129-1141. [ Links ]

    7. Santos M. O Lugar e o Cotidiano. En: A natureza do espaço. San Pablo: Edusp; 2002. [ Links ]

    8. Menéndez EL, Di Pardo R. De algunos alcoholismos y algunos saberes: atención primaria y proceso de alcoholización. México: Ciesas; 1996. [ Links ]

    9. Gadamer HG. Verdade e Método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis: Editora Vozes; 1997. [ Links ]

    10. Castoriadis C. A ascensão da insignificância: encruzilhadas no labirinto IV. San Pablo: Paz e Terra; 2002. [ Links ]

    11. Freud S. O mal-estar na civilização (1931). En: Edição eletrônica brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Río de Janeiro: Imago Editora; 1997. [ Links ]

    12. Lyotard JF. A condição pós-moderna. Río de Janeiro: José Olimpio; 2006. [ Links ]

    13. Benasayag M, Charlton E. Esta dulce certidumbre de lo peor. Buenos Aires: Nueva Visión; 1993. [ Links ]

    14. Enriquez E. A organização em análise. Petrópolis: Editora Vozes; 1997. [ Links ]

    15. Motta FCP, Freitas ME. Vida psíquica e organização. Río de Janeiro: Editora FGV; 2000. [ Links ]

    16. Kaës R, 1991. Realidade psíquica e sofrimento nas instituições. En: Kaës R, Bleger J, Enriquez E, Fornari F, Fustier P, Roussillon R, Vidal JP, organizadores. A instituição e as instituições. San Pablo: Casa do Psicólogo. p.1-39. [ Links ]

    17. Oury J. Itinéraires de formation. Revue pratique de psychologie et de la vie sociale et d'hygiène mentale. 1991;(1):42-50. [ Links ]

    18. Onocko Campos RT. A gestão: espaço de intervenção, análise e especificidades técnicas. En: Campos G. Saúde Paidéia. San Pablo: Hucitec; 2003. p.122-149. [ Links ]

    19. Onocko Campos RT. La planificación en el laberinto: un viaje hermenéutico. Buenos Aires: Lugar Editorial; 2007. [ Links ]

    20. Menéndez EL. Grupo doméstico y proceso de salud/enfermedad/atención. Del teoricismo al movimiento continuo. Cuadernos Médico Sociales. 1992;(59):3-18. [ Links ]

    21. Fleury S. Saúde: coletiva? Questionando a onipotência do social. Río de Janeiro: Relume-Dumará; 1992. [ Links ]

    22. Burlandy L, Bodstein RCA. Política e saúde coletiva: reflexão sobre a produção científica (1976-1992). Cadernos de Saúde Pública. 1998;14(3):543-554. [ Links ]

    23. Onocko Campos RT. O encontro trabalhadorusuário na atenção à saúde: uma contribuição da narrativa psicanalítica ao tema do sujeito na saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva. 2005;10(3):573-583. [ Links ]

    24. Luz MT. A produção científica em ciências sociais e saúde: notas preliminares. Saúde em Debate. 2000;24(55):54-68. [ Links ]

    25. Campos GWS. Considerações sobre a arte e a ciência da mudança: revolução das coisas e reforma das pessoas. O caso da saúde. En: Cecílio L, organizador. Inventando a mudança na saúde. San Pablo: Hucitec; 1994. p.29-88 [ Links ]

    26. Ayres JRCM. Sujeito, intersubjetividade e práticas em saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2001;6(1):63-72. [ Links ]

    27. Vasconcelos CM. Os paradoxos do SUS. [Tesis de Doctorado]. Campinas: Unicamp; 2005. [ Links ]

    28. Ayres JRCM. Epidemiologia, promoção da salud e o paradoxo do risco. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2002;5(Supl.1):S28-S42. [ Links ]

    29. Nunes de Oliveira G. O Projeto terapêutico como contribuição para a mudança das práticas de saúde. [Tesis de Maestría]. Campinas: Unicamp; 2007. [ Links ]

    30. Ayres JRCM. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. En: Czeresnia D, organizadora. Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Río de Janeiro: Fiocruz; 2003. p.117-139. [ Links ]

    31. Campos GWS. A clínica do sujeito: por uma clínica reformulada e ampliada. En: Saúde Paidéia. San Pablo: Hucitec; 2003. [ Links ]

    32. Onocko Campos RT. Clinica: a palavra negada sobre as práticas clínicas nos serviços substitutivos de saúde mental. Saúde em debate. 2001; 25(58):98-111. [ Links ]

    33. Benevides R, Passos E. Clínica e biopolítica na experiência do contemporâneo. Revista de Psicología Clínica. 2001;13(1):89-100. [ Links ]

    34. Dolto F. A imagem inconsciente do corpo (1984). San Pablo: Perspectiva; 2001. [ Links ]

    35. Cunha GT. A Construção da Clínica Ampliada na Atenção Básica. San Pablo: Hucitec; 2005. [ Links ]

    36. Onocko Campos RT, Campos GWS. Co-construção de autonomia: o sujeito em questão. En: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond Júnior M, Carvalho YM, organizadores. Tratado de Saúde Coletiva. San Pablo: Hucitec; Río de Janeiro: Fiocruz; 2006. [ Links ]